quinta-feira , agosto 13 2020
Home / Reportagens / ARTIGO – À espera de um milagre

ARTIGO – À espera de um milagre

Nesse momento, caro leitor, logo após a leitura do título acima, você deve estar pensando duas coisas: a primeira é se o artigo é recente, a segunda é se Rubens Barrichello largou as pistas de corrida para escrever artigos de MTG na internet.
Bom, acalme-se, posso garantir que nem a primeira hipótese, nem a segunda, estão corretas, e em breve você vai entender o motivo. O Legacy não é um formato com muitas mudanças, mas, como todos sabem, nos últimos tempos fomos surpreendidos com um banimento em uma das principais “staples” do formato: [mtg_card]Sensei’s Divining Top[/mtg_card].
Digo surpreendidos porque a aclamação popular, mais conhecido no métier como “mimimi”, foi tão forte no ano passado que tínhamos certeza que a DCI ia baixar o martelo no Miracles naquele ano mesmo, de uma forma ou de outra. Bom, não aconteceu, nós jogadores de Miracles ficamos tranquilos, muitos compraram decks foils, outros mandaram pintar a parede do quarto com a foto do Joe Lossett. Fato é que a poeira baixou, as coisas se acalmaram, até que um filho de uma pura mãe colocou uma placa em frente à sede da Wizards, pedindo o banimento do famigerado Tampo.
Isso mesmo, a farra do boi, como dizem lá em Bom Sucesso (pra quem não conhece é a megalópole ao lado de Lavras) durou pouco, somente até o início desse ano, quando de repente, não mais que de repente, o martelo do banimento caiu e o pião mais adorado do mundo (ou odiado) foi quebrado. Entre uma divisão de choros de felicidade e tristeza, o banimento do [mtg_card]Sensei’s Divining Top[/mtg_card] significava duas coisas: o fim do melhor deck do formato e o início de uma nova era, ou seja, “a brand new world, gentlemen”. Será?
Pois bem, o Miracles não era apenas um deck de magic, tipo RUG Delver (que acho que nem deck é mais). O Miracles era quase uma religião, com milhares de aficionados ao redor do globo. Isso fez com que um pequeno grupo no MTGTheSource começasse a desenvolver um possível substituto para o deck, com o fim de aproveitar o poder intrínseco de um milagre, ou melhor, de dois. [mtg_card]Terminus[/mtg_card] e [mtg_card]Entreat the Angels[/mtg_card], quando “castados” pelo custo de milagre são, sem sombra de dúvida, “game breakers”. Por isso, e com isso, desse grupo surgiu um novo Miracles, um Miracles inesperado, alguns diriam um Unexpectedly Miracles, usando [mtg_card]Portent[/mtg_card] e [mtg_card]Unexpectedly Absent[/mtg_card], e o resto é lenda.

Fonte: Magic: The Gathering Memes.

Osmanozguney, do Magic Online (MOL), foi o primeiro a fazer 5-0 em uma liga com o deck, utilizando-se da seguinte lista. Sua lista continha vermelho para [mtg_card]Blood Moon[/mtg_card] e [mtg_card]Pyroblast[/mtg_card] e consistia de um “shell” bastante “control”, com uma eficiente “engine” de “card advantage” (CA).
Logo depois dele, ItsUnfair, com uma lista estritamente UW, sem [mtg_card]Swords to Plowshares[/mtg_card] no main deck, repetiu a façanha de 5-0.

[/vc_column_text][vc_column_text][/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/2″][vc_text_separator title=”Main Deck”][vc_column_text]Criaturas (4)
3 [mtg_card]Snapcaster Mage[/mtg_card] 1 [mtg_card]Vendilion Clique[/mtg_card] Planeswalkers (3)
3 [mtg_card]Jace, the Mind Sculptor[/mtg_card] Magias (33)
4 [mtg_card]Brainstorm[/mtg_card] 1 [mtg_card]Flusterstorm[/mtg_card] 4 [mtg_card]Ponder[/mtg_card] 4 [mtg_card]Portent[/mtg_card] 3 [mtg_card]Counterspell[/mtg_card] 4 [mtg_card]Predict[/mtg_card] 4 [mtg_card]Unexpectedly Absent[/mtg_card] 1 [mtg_card]Entreat the Angels[/mtg_card] 4 [mtg_card]Force of Will[/mtg_card] 4 [mtg_card]Terminus[/mtg_card] Terrenos (20)
1 [mtg_card]Arid Mesa[/mtg_card] 4 [mtg_card]Flooded Strand[/mtg_card] 6 [mtg_card]Island[/mtg_card] 1 [mtg_card]Karakas[/mtg_card] 2 Plains
4 [mtg_card]Scalding Tarn[/mtg_card] 2 [mtg_card]Tundra[/mtg_card][/vc_column_text][/vc_column][vc_column width=”1/2″][vc_text_separator title=”Sideboard (15)”][vc_column_text]2 [mtg_card]Flusterstorm[/mtg_card] 1 [mtg_card]Hydroblast[/mtg_card] 2 [mtg_card]Surgical Extraction[/mtg_card] 2 [mtg_card]Swords to Plowshares[/mtg_card] 1 [mtg_card]Containment Priest[/mtg_card] 2 [mtg_card]Ethersworn Canonist[/mtg_card] 2 [mtg_card]Back to Basics[/mtg_card] 2 [mtg_card]Vendilion Clique[/mtg_card] 1 [mtg_card]Venser, Shaper Savant[/mtg_card][/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Isso mesmo, senhores, a segunda lista a fazer 5-0 no MOL, nas mãos do player ItsUnfair, não tinha nenhuma cópia de [mtg_card]Swords to Plowshares[/mtg_card] no main deck, mas apenas duas cópias no side. A ideia era abusar de [mtg_card]Predict[/mtg_card] (quatro no deck), e para isso, quanto mais formas de se conhecer o topo do próprio deck ou do deck do oponente, melhor.
O fato é que ambos os resultados acima aconteceram em 17 e 19 de maio, respectivamente,  apenas duas semanas depois do banimento; a discussão sobre o deck no TheSource explodiu e o deck apareceu mais 20 vezes no MTGGoldfish com resultados 5-0. Isso quer dizer que, mesmo pouco jogado, foi o deck que mais apareceu com resultados 5-0 no mol de 17/05/2017 a 01/06/2017. Ok…ok…Dazed and Confused? Ryso. Eu sei, e olha que nem estou falando de Led Zeppelin!!!
Salienta-se que nesse interim de testes e vitórias, a base do deck permaneceu UW em sua maioria, com poucas pessoas fazendo o splash para vermelho. Mas, Thiago, como esse deck funciona? Isso ganha mesmo?
Bom, vamos começar pela resposta da primeira pergunta. O deck se sustenta em card selection e card advantage, além de possuir uma sinergia linda, para abusar de spells intrinsecamente poderosas ou que fazem sentido quando tomadas em conjunto dentro do deck. Vamos aos exemplos:

1) [mtg_card]Unexpectedly Absent[/mtg_card]: Essa carta serve ao deck como spot removal, meio de fazer [mtg_card]Predict[/mtg_card] funcionar, além de interagir com [mtg_card]Jace, the Mind Sculptor[/mtg_card] e [mtg_card]Portent[/mtg_card]. Colocar uma permanente de seu oponente no topo do deck dele, para depois jogá-la para o cemitério com [mtg_card]Predict[/mtg_card] e comprar duas cartas, ao mesmo tempo transforma [mtg_card]Unexpectedly Absent[/mtg_card] em spot removal de permanente e engine para [mtg_card]Predict[/mtg_card]. Essa interação funciona da mesma forma com [mtg_card]Jace, the Mind Sculptor[/mtg_card] e [mtg_card]Portent[/mtg_card]. Esse último, inclusive, pode fazer com que seu oponente embaralhe o deck, desaparecendo com a ameaça do topo.

Ei, cara. Cadê você?

2) [mtg_card]Portent[/mtg_card]: Essa carta é uma cantrip com draw atrasado. Essencialmente é um [mtg_card]Ponder[/mtg_card] ruim. Entretanto, o drawback da carta, a compra atrasada, em um deck control, não faz tanta diferença como em um deck de combo, por exemplo, no qual o jogador precisa das cartas no mesmo turno, geralmente. Ocorre que a carta, por si só, pode funcionar como engine para armar um milagre na manutenção de seu oponente, além de se desviar de [mtg_card]Leovold, Emissary of Trest[/mtg_card], tão presente no meta ultimamente. Ademais, pode ajudar a controlar o topo de seu oponente e preparar [mtg_card]Predict[/mtg_card]s tanto com cartas do seu deck, como com cartas do deck do oponente. Em conjunto com [mtg_card]Jace, the Mind Sculptor[/mtg_card] e [mtg_card]Predict[/mtg_card], faz seu oponente se sentir miserável no late game. Imagina “castar” um [mtg_card]Portent[/mtg_card] quando seu oponente só tem uma carta na mão, dando alvo no deck dele, somente para fazer com que ele compre as piores cartas antes de comprar o [mtg_card]Pyroblast[/mtg_card] que destruiria seu JTMS. Imagine, agora, que antes de seu oponente comprar esse [mtg_card]Pyroblast[/mtg_card], você jogue [mtg_card]Predict[/mtg_card] nomeando [mtg_card]Pyroblast[/mtg_card] – do qual você já tinha conhecimento que estava no topo dele – somente para jogá-lo para o cemitério e, como bônus, comprar duas cartas. Imaginou? Então, é isso que o deck faz.

Ei! eu tinha um monte disso no lixão!

A soma de [mtg_card]Predict[/mtg_card], [mtg_card]Portent[/mtg_card], [mtg_card]Brainstorm[/mtg_card], [mtg_card]Ponder[/mtg_card], [mtg_card]Jace, the Mind Sculptor[/mtg_card], [mtg_card]Unexpectedly Absent[/mtg_card] e [mtg_card]Snapcaster Mage[/mtg_card] faz com que você sempre saiba o topo do seu deck ou do deck do seu oponente, além de proporcionar uma infinidade de compras e muita CA. O resultado prático disso é conjurar 4 [mtg_card]Swords to Plowshares[/mtg_card] num jogo ou 3 [mtg_card]Jace, the Mind Sculptor[/mtg_card] ou mesmo 4 [mtg_card]Terminus[/mtg_card] normalmente, enquanto seu oponente sequer tenha resolvido duas mágicas iguais no jogo. Em outras palavras, é normal terminar um jogo com apenas 15 cartas no deck.
Bom, dito tudo isso, só nos resta uma possível conclusão: Bora testar “saporra”, porque tudo indica que o deck está de volta. E foi exatamente isso que fiz, por enquanto. Em breve montarei o deck online, mas IRL já participei de dois campeonatos com ele: 3ª Etapa da LML e Semanal da UGcardshop de quarta passada. Comecei com uma lista estritamente UW no domingo passado, conforme os teste do TheSource, e passei para uma uma lista UWR no Semanal:

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/2″][vc_text_separator title=”Main Deck”][vc_column_text]Criaturas (4)
3 [mtg_card]Snapcaster Mage[/mtg_card] 1 [mtg_card]Vendilion Clique[/mtg_card] Planeswalkers (3)
3 [mtg_card]Jace, the Mind Sculptor[/mtg_card] Magias (33)
4 [mtg_card]Brainstorm[/mtg_card] 4 [mtg_card]Ponder[/mtg_card] 4 [mtg_card]Portent[/mtg_card] 4 [mtg_card]Swords to Plowshares[/mtg_card] 3 [mtg_card]Counterspell[/mtg_card] 3 [mtg_card]Predict[/mtg_card] 2 [mtg_card]Unexpectedly Absent[/mtg_card] 1 [mtg_card]Entreat the Angels[/mtg_card] 1 [mtg_card]Supreme Verdict[/mtg_card] 4 [mtg_card]Force of Will[/mtg_card] 3 [mtg_card]Terminus[/mtg_card] Terrenos (20)
4 [mtg_card]Flooded Strand[/mtg_card] 4 [mtg_card]Island[/mtg_card] 1 [mtg_card]Arid Mesa[/mtg_card] 2 [mtg_card]Plains[/mtg_card] 4 [mtg_card]Polluted Delta[/mtg_card] 3 [mtg_card]Tundra[/mtg_card] 2 [mtg_card]Volcanic Island[/mtg_card][/vc_column_text][/vc_column][vc_column width=”1/2″][vc_text_separator title=”Sideboard (15)”][vc_column_text]3 [mtg_card]Flusterstorm[/mtg_card] 1 [mtg_card]Pyroblast[/mtg_card] 1 [mtg_card]Red Elemental Blast[/mtg_card] 2 [mtg_card]Surgical Extraction[/mtg_card] 2 [mtg_card]Ethersworn Canonist[/mtg_card] 2 [mtg_card]Blood Moon[/mtg_card] 3 [mtg_card]Monastery Mentor[/mtg_card] 1 [mtg_card]Vendilion Clique[/mtg_card][/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Teoricamente esse deck tem algumas fraquezas que o lock de [mtg_card]Counterbalance[/mtg_card] + [mtg_card]Sensei’s Divining Top[/mtg_card] não permitiam que acontecesse pre-ban. Por exemplo, o matchup (MU) contra Burn é horrível e as possíveis soluções para isso estão sendo testadas nesse exato momento. Do mesmo modo, o MU contra Storm sofreu uma leve piorada. O fato é que CB+Top tirava do meta uma miríade de decks que não conseguiam responder o lock e também permitia o jogador de Miracles estabilizar jogos a 1 ou 2 de vida. Bom, isso não acontece muito mais. Mas vamos ao que interessa, que são as partidas dos dois torneios acima. Adianto que passarei mais brevemente por elas, pois esse não é o objeto desse artigo.

1) 2×0 Jund – [mtg_card]Hymn to Tourach[/mtg_card] não é mais um problema tão grave. Apesar de múltiplos, com a recorrência de compras de Predict, mantive o CA e ganhei com [mtg_card]Entreat the Angels[/mtg_card] para quatro e cinco anjos respectivamente. [mtg_card]Liliana of the Veil[/mtg_card] já não é um problema tão grave, quando se tem [mtg_card]Unexpectedly Absent[/mtg_card] no deck.
2) 2×1 Belcher – Perdi o G1 pois não tinha [mtg_card]Force of Will[/mtg_card] na mão, por não saber de que meu oponente estava jogando.
3) 2×0 Death and Taxes – Particularmente, até o momento, creio que esse jogo tenha ficado mais fácil após o banimento do SDT. O DnT não consegue segurar a engine de CA do deck. Alguns [mtg_card]Terminus[/mtg_card] no momento certo simplesmente acabam com o jogo.
4) 1×1 Elfos – Esse jogo ficou mais equilibrado sem CB+Top e sem a facilidade de [mtg_card]Terminus[/mtg_card] no turno do seu oponente. Acontece que o funcionamento do deck ainda era novo para mim e o G1 acabei perdendo pelo excesso de [mtg_card]Terminus[/mtg_card] jogados no meu turno. O melhor [mtg_card]Terminus[/mtg_card], aqui, é no turno do oponente, de preferência depois do combo para [mtg_card]Natural Order[/mtg_card]. Fiz isso no G2 e ganhei. Infelizmente não tivemos tempo para completar o G3.
5) ID – eu realmente precisava almoçar, já que o vício me fez sair do interior para pegar o campeonato a tempo, sendo que tive um casamento no dia anterior. Tenso, mas valeu a pena.
6) 0x2 UR Landstill – Bom, estou tendo uma certa dificuldade para ganhar de decks de [mtg_card]Standstill[/mtg_card], tendo em vista que possuem, além de uma eficiente engine de CA, manlands. Manlands já eram um problema no antigo Miracles e agora pioraram, tendo em vista que o [mtg_card]Terminus[/mtg_card] ficou mais difícil de acontecer no turno do oponente. Nos dois jogos perdi para uma combinação de manlands + [mtg_card]Snapscaster Mage[/mtg_card], [mtg_card]Ligthning Bolt[/mtg_card]s e [mtg_card]Standstill[/mtg_card]. Esse Landstill, inclusive, venceu o torneio, na mão de um insistente jogador, que está trabalhando no deck há um tempo. Parabéns, Matheus!
7) 2×1 – Burn – Isso mesmo, teoricamente impossível de ganhar, na prática se mostrou possível, desde que você consiga combinar mentor com counters. A engine de draw do deck faz o resto e o clock imposto pelo mentor ganha bem mais rápido que o Burn. Foi isso que aconteceu G1 e G3, sendo que no G1 ganhei de [mtg_card]Jace, the Mind Sculptor[/mtg_card] + counters, que impediu que o oponente comprasse mais terrenos para descarregar sua mão de custos 2.
8) 2×0 – Grixis Control – A minha impressão foi que o Grixis não consegue acompanhar a CA do Miracles, mais uma vez. O excesso de remoções seguidas de JTMS fecha o game. Além disso [mtg_card]Red Elemental Blast[/mtg_card] e [mtg_card]Blood Moon[/mtg_card], no side, ajudam infinitamente.
9) 2×1 Death and Taxes – Veja os comentários da terceira rodada.
10) ID e Split – Rug Delver – Como não estava valendo mais nada, joguei 3 jogos main deck contra meu oponente, ganhei 2 e perdi 1. O problema, aqui, é chegar a poucos pontos de vida e não ter mais acesso ao CB+Top lock. No mais, fetches para básicos e CA garantem a vitória naturalmente.

No resumão, até agora, sem contar os IDs, de 8 jogos foram 6 vitórias, 1 empate e 1 derrota. Ou seja, eu sei que tem muito trabalho pela frente ainda, 8 jogos não querem dizer absolutamente nada, mas não sou somente eu jogando com o deck. Temos uma gama de jogadores online e o deck já aparece com 5% do metagame do MOL, o que o torna o quarto deck mais jogado por lá. Os resultados online, por enquanto, são expressivos e vale a pena o teste, tanto para você que jogava de Miracles quanto para você que odiava o deck. Sim, esse é um deck totalmente diferente, que pode surpreendê-lo.
Enquanto isso, nos resta ir jogando, desbravando essa meta novo, que está bonitão, testando o número de STP, UA e Predicts no main deck, testando o splash para vermelho ou a base UW, até que chegue o GP Las Vegas. Imagina só um Miracles no top 8 do torneio, logo após o banimento de SDT. Lindo, não?

The Miracle is back, bitches, deal with it!!

Thiago “Portent” Duarte.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

About Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *