quarta-feira , 20 setembro 2017
pten
Home / Colunas / Dano na Pilha / ARTIGO – Eldrazi and Taxes!
"Only two things are certain in life: Death and Taxes. - Samuel Johnson"

ARTIGO – Eldrazi and Taxes!

Olá tudo bom?

Já que esta é a primeira vez que escrevo pra Eternal, antes de começar o artigo eu quero me apresentar. Me chamo Marcos Morelli, tenho 30 anos, estudei e trabalho com TI, moro próximo de Florianópolis e a última vez que voltei a jogar foi antes do pré-release de Return to Ravnica. Participo do Circuito Legacy Catarinense desde 2014 quando jogava ainda de Jund Burn (se tiver curiosidade, tem a lista e o comentário de Carsten Kotterum aqui). Em fevereiro do ano passado, no mesmo fim de semana que Gerry Thompson ficou em segundo no SCG Open, eu venci a segunda etapa do CLC com o debutante Colorless Eldrazi. Desde então tenho jogado com o arquétipo adaptando a lista todo mês. Acumulando quase um ano de experiência, pro circuito desse ano resolvi mudar drásticamente o deck formando o Eldrazi and Taxes… segue a lista que registrei na quarta etapa em Blumenau.

Eldrazi and Taxes - por Marcos Morelli

Somente o melhor dos melhores
4 Smasher, 4 TKS, 3 Displacer

A primeira grande mudança foi cortar grande parte dos Eldrazis. Smasher e TKS são unanimes e o Displaicer com a função utilitária garantiu 3 vagas. Para aqueles que ainda não tiveram o prazer de jogar com o Eldrazi “quase” branco vai alguns exemplos do seu valor:

  • Impedir criaturas de atacar ou bloquear;
  • Para raios de removals;
  • Removal de tokens (Marit Lage principalmente);
  • Removal geral quando combinado com Containment Priest do sideboard;
  • Counter para miracle triggers com TKS na mesa;
  • Força oponentes com nsnaring Bridge a comprar cartas com TKS na mesa; e
  • Eldrazi castável mesmo com Blood Moon na mesa.
"Só há duas coisas certas na vida: a morte e os impostos. - Samuel Johnson"
3 Thalia, 3 Vryn, 3 Golem

É bem comum no Colorless Eldrazi usar Thorn of Amethyst seja no sideboard ou até mesmo main deck. Não foi uma nem duas vezes que vi o jogador floodar delas na mesa e não ter clock para vencer. A Thalia cobre essa falha com maestria… o tradeoff da guardiã de Thraben é o seu custo mana que as sol lands não atendem. Foi pensando nisso em que as Mox Diamond entraram no deck. As outras criaturas que taxam adicionam redundância ao deck além de acumular as taxas – já curvei T1 Thalia, T2 Vryn, T3 Golem… pense no Jace do meu oponente custando 7 manas em sua mão. A configuração já foi 3-2-2 (Thalia, Vryn, Golem), 3-2-3 e hoje o 3-3-3 considero correto com a alta dos Delvers e combos. Se o leitor ainda não se convenceu ou está duvidando das probabilidades, assista ao início do vídeo das quartas de final da terceira etapa do CLC aqui.

2 Stoneforge, 1 Batterskull, 1 Jitte

Com acesso ao branco fica quase óbvio a inclusão da litomancer e os equipamentos. Aqui vale ressaltar a presença da espada UR no side contra fair decks e principalmente TNNs. Uma trick interessante do deck é ativar a Stoneforge Mystic e responder a habilidade na pilha com Displacer (ele de novo!), dessa forma você ja coloca na mesa o que tutorar economizando um enjoo de invocação 🙂

2 Wail, 2 Blessed Alliance

Chega de Dismember… quantas vezes a única opção de land é Ancient Tomb e você é obrigado a pagar 6 de vida para usar um removal. Na versão colorless que é muito mais agro e com opções limitadas de removal é oque se tem. Mas agora com a alta de Leovolds e TNNs, a Blessed Alliance se torna muito mais flexível. Ela tem o necessário CMC 2 para funcionar com Chalice, flexível contra vários matchs (ganhar 4 de vida contra Burn pode ser a vitória) e fácil de escalar com 2 incolores. As Warping Wail dispensam apresentações.

25 terrenos + 3 Mox

Aqui a principal diferença é a inclusão de terrenos básicos. As planícies garantem resiliência contra Wasteland, Blood Moon, Back to Basics e até From the Ashes. Para dar espaço a elas eu cortei os Eye of Ugin.

Sideboard

O sideboard é focado em vencer os decks de cemitério. Forsake the Worldly considero um upgrade direto de Disenchant por poder reciclar quando inútil na mão. Wurmcoil Engine quase sempre vence os outros decks de atrito que não tem acesso a branco ou com o Chalice of the Void na mesa. Walking Ballista é principalmente contra D&T, Elfos e Aluren.

Como todo rogue deck, é uma vantagem jogar com uma lista que os oponentes não tem muita noção do que está no seu topo. Ao longo dos 4 CLCs que participei, meu record com o deck está 21-5-1. Para quem quer adicionar uma cor no seu Eldrazi, ou splashar incolor no seu Death and Taxes espero que tenham gostado do review. Qualquer opinião, dúvida ou contribuição é só postar nos comentários. Quem jogar com a lista ou parecida não deixe de postar como foi. Até a próxima segunda!

Sobre Morelli

Morelli é um entusiasta do Magic há 15 anos. Voltou a jogar competitivo em 2012. Jogando de Standard a Legacy passando por Duel Commander. Conquistou Top 32 em GP Rio e atualmente busca o Pro Tour.

2 Comentários

  1. Legal a matéria, Morelli! Acho que teu deck está bem à frente do “Thalia Stompy” que vem sendo debatido no the source (=

  2. Ótima publicação Morelli ! Achei muito interessante essa sua mudança do Jund burn para o Eldrazi and Taxes.
    Deck extremamente competitivo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *