quarta-feira , agosto 21 2019
Home / Reportagens / Cobertura de eventos / Um GP inesquecível para o Brasil

Um GP inesquecível para o Brasil

Por Fausto de Souza

Las Vegas – O que é bom dura pouco, diz o ditado. Os três GPs realizados em Las Vegas entre quinta-feira e hoje (18) foram vibrantes, marcados por momentos de pura emoção. Especialmente para os brasileiros.

Foi neste curto espaço de tempo, que é o fim de semana, que Thiago Saporito venceu sua primeira competição desse nível, quando superou tês mil jogadores do mundo inteiro e sagrou-se campeão do GP Selado. Foi também nesses quatro dias que Carlos Romão conquistou o ponto que faltava para ingressar no seleto grupo de jogadores Platinum. Las Vegas assistiu ainda à conquista de Jonathan Melamed, chegando ao grupo Silver. Destaque também para Felipe Alberto, que conseguiu um ótimo 49º lugar no GP Modern, que teve 3,5 mil participantes.

Além deles, tivemos a participação de cerca de outros 20 jogadores brasileiros, que representaram o país com muita garra e dedicação. Não é uma viagem fácil, o clima da cidade é mais seco do que em Brasília e o calor consegue ser ainda mais intenso que o de Manaus.

“A viagem é muito cansativa. Eu demorei 19 horas só pra chegar aqui, e cheguei na quarta-feira, que foi um dia antes do primeiro GP. Então foi aquela correria”, lembra o campeão do GP Selado, Thiago Saporito. Algumas conexões fazem com que o deslocamento do Brasil pra cá dure até 24 horas, o fuso horário é de 4 horas e os hotéis são caros. Esses são alguns dos obstáculos que os brasileiros precisam superar para ingressar na carreira profissional.

O sorriso do campeão. Foto: wizards.com

Para tanto, é mais do que talento e treino. É preciso, num curto espaço de tempo, conquistar grande quantidade dos chamados Pro Points, que são obtidos apenas em torneios específicos, além de visto, passaporte e fluência em outros idiomas (principalmente inglês).

Magic também é diversão

Ao contrário do que muitos pensam, Magic: The Gathering também é diversão. Segundo a empresa fabricante do jogo, a maior parte dos jogadores não jogam para competir. E essa parcela da “população” esteve presente em grande número em Las Vegas.

“Foi um grande evento”, afirma Mashi Scanlan, porta-voz da ChannelFireBall, organizadora do evento, e chefe do Staff nesse GP. “Contamos com um excelente time, entre juízes e funcionários. Todos os dias realizamos mudanças de acordo com as necessidades do dia seguinte, e felizmente deu tudo certo”, complementa ele, enfatizando que o mais importante é que todos tenham se divertido.

Os fãs tiveram amplo acesso a artistas de renome, como Eric Deschamps, Mark Poole, Rob Alexander, Steve Argyle, Liz Danforth, Mark Tedin, Dan Frazier e tantos outros. Nesse espaço, localizado ao lado da área VIP, era possível assinar cartas, pedir alterações especiais ou ainda adquirir acessórios feitos pelo seu artista preferido.

Liz Danforth autografando livro lançado com artes de diversos artistas do Magic

De outro lado, colecionadores puderam encontrar cartas raras como foils em idioma estrangeiro e das edições originais, como Alpha, Beta, Antiquities, The Dark, Legends e Arabian Nights. Nada menos que 33 lojas se cadastraram para expor seus produtos.

Este foi, sem dúvida, um fim de semana para ficar na história do Magic. O maior evento do mundo durou pouco, mas ficará para sempre gravado na memória de todos os fãs desse jogo. Especialmente na dos brasileiros.

About Paulo de Tarso

Jornalista de formação, vive a (e de) escrever. Joga (mal) Magic desde 1995, e encontra diversão para compensar a falta de talento para o jogo utilizando cartas e decks que não são muito usados por aí. De vez em quando flerta com algum relativo sucesso ao beliscar um top 8, mas não é muito afeito às mesas iniciais. Atualmente joga Legacy e alguns drafts.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *