quarta-feira , 17 janeiro 2018
enpt
Home / Colunas / Paupiteio / Tudo sobre o Turbo Fog: Perdendo amigos e ganhando partidas

Tudo sobre o Turbo Fog: Perdendo amigos e ganhando partidas

O Paupiteio dessa semana será sobre esse deck que todos amam odiar: o Turbo Fog. Tenho jogado com ele há alguns meses e estou sempre fazendo melhorias. Atualmente minha lista é um pouco diferente das demais e vou mostrar ao longo do artigo porque encontrei no “automill” uma opção para se manter no jogo.

Introdução

O Turbo Fog é um hard control diferenciado. Não há interação diretamente com as criaturas do oponente, elas ficam vivas e soltas, optando-se por prevenções de dano de combate, como o Fog, para se manter vivo. A vitória chega quando o baralho do oponente ou a paciência chega ao fim. Cartas de constante mill como Jace’s Erasure aceleram o processo. Não é um deck tier1, mas arranca muitas vitórias quando é bem pilotado.

Antes de ir para as cartas, vou explicar alguns dos princípios do deck. Podem achar alguns deles questionáveis, de toda forma esses são os que considero mais importantes e nos quais me baseei para construir e melhorar minha lista. Vamos lá:

  • Não é um aggro. Não adianta ignorar o oponente e entupi-lo de pequenos mills. Pela tabela abaixo vemos como o burn é muito mais eficiente nesse tipo de estratégia. Levando em conta a mão inicial do oponente e as compras dos primeiros turnos, vamos considerar como vitória por mill a queima de 49 cartas do deck e vitória por dano o desferimento de 20 pontos:
CMC Carta Impacto do Efeito Cópias necessárias para Ganhar
1 Lightning Bolt 3 7
1 Tome Scour 5 10
2 Flame Rift 4 5
2 Mind Sculpt 7 7
  • É um controle. Por isso precisamos do mínimo necessário de slots com kill conditions, e devemos aproveitar o restante para garantir o controle do jogo. Outra consequência é que é necessário ter um fim de jogo explosivo, e o Turbo Fog faz isso comprando cada vez mais cartas, mantendo uma boa base de mana no campo e a mão cheia de opções.
  • Não é um combo. Muitas pessoas tentam matar de Jace’s Erasure + Whirlpool Rider. É uma interação interessante, mas não garante a vitória e é pouco consistente. O Whirlpool Rider é pouco útil sozinho e, como precisamos de cada recurso, desperdiçar esse slot na mão pode ser fatal.
  • É proibitivo usar 3 cores. Para sobreviver ao jogo, é necessário agilizar o setup. Contra decks mais agressivos, como Stompy e Fractius, isso inclui dar Fog todos os turnos desde os 3 ou 4, além de já possuir uma base de mana consistente e cartas para garantir as compras necessárias. Percebi que a demora para acertar os terrenos é uma das maiores causas da perda de jogos – isso com 2 cores, com 3 é mais difícil ainda.
  • A combinação Simic é melhor do que a Azorius. Branco possui características tentadoras, como 2 one drop fogs, o versátil Dawn Charm e boas cartas de sideboard. Porém essas vantagens nem se comparam com Moment’s Peace, Tangle e Quiet Disrepair.
  • Possui muitas cartas com valor no cemitério. Veremos ao decorrer do artigo que é possível ganhar vantagem de cartas com o automill.

DeckList

Esta é a minha lista atual. Eu a divido em 6 principais categorias: Mills, Cantrips, Card Advantages, Fogs, Anulações e Terrenos.

Terrenos (19)
Seat of the Synod
Island
Forest
Terramorphic Expanse
Ash Barrens

Cantrips (6)
Brainstorm
Ponder

Card Advantages (10)
Think Twice
Accumulated Knowledge
Take Inventory

Fogs (14)
Fog
Tangle
Moment’s Peace
Quiet Disrepair

Mills (9)
Ghoulcaller’s Bell
Jace’s Erasure
Curse of the Bloody Tome

Counters (2)
Muddle the Mixture
Sideboard (15)
Quiet Disrepair
Matsu-Tribe Sniper
Scattershot Archer
Keep Watch
Arcane Denial
Hydroblast
Dispel
Mills
  • Jace’s Erasure – Já é batido que é a melhor Kill Condition do deck. A cada carta comprada, 1 mill. É importante notar que dá alvo em qualquer jogador, por isso é muito útil durante um Ponder ou Brainstorm, para limpar cartas ruins do seu próprio topo. Os alvos são escolhidos após a resolução das compras, por isso faça seu Brainstorm com calma, antes de dar o alvo para cada um dos 3 triggers. Converse com o oponente pra que ele não queime antes da hora. No g1, quando o Jace’s Erasure entra rápido, pode ser interessante gastar os primeiros turno se millando para ganhar algumas cartas. Essa estratégia não é muito forte contra decks que usam Bojuka Bog e nos g2/g3, pois seu encantamento pode ser destruído e te deixar em maus lençóis.
  • Curse of the Bloody Tome – Também conhecido como 5º Jace’s Erasure. Não possui tanta sinergia quanto o outro, tem a curva mais elevada, mas cumpre bem sua missão.
  • Ghoulcaller’s Bell – Há tempos eu estava de olho nesta carta e pensava como poderia aproveitar seu potencial no pauper. Ela se encaixou no Turbo Fog como uma luva. Ao mesmo tempo adianta o kill do oponente e te milla cartas que darão vantagem de jogo. Possui bastante sinergia com Quiet Disrepair, dando uma possibilidade de encantar no turno 2 sem fragilizar a base de mana com os terrenos artefatos. Além disso, cumpre a função de limpar cartas indesejadas dos Ponder e Brainstorm, extraindo o máximo do potencial deles e favorecendo boas compras. Tudo isso por uma mana incolor, mais curvado do que isso só se fosse de graça.
Cantrips
  • Brainstorm – Procura cartas respostas com bastante eficiência. Tem sinergia com várias outras cartas do deck, é capaz de corrigir a mão e limpar cartas indesejadas. É o maior ativador do Jace’s Erasure, pois pode entombar 3 cartas do oponente, diminuindo apenas 1 carta do seu próprio grimório.
  • Ponder – Faz muito bem o que precisa ser feito desde os primeiros turnos e também apresenta bastante sinergia com o restante.
Card Advantages

Essas são as principais cartas que adquirem valor quando você queima o próprio deck. Cruze os dedos para que sejam sorteadas pelo Ghoulcaller’s Bell.

  • Think Twice – Boa carta para se ter no cemitério. O instant speed a faz em algumas matchs melhor do que o Take Inventory.
  • Accumulated Knowledge – Melhor card advantage do deck. Não se esqueçam que todos cemitérios contam, incluindo o do oponente.
  • Take InventoryAccumulated Knowledge feitiço e que só conta no próprio cemitério. O maior problema é ser feitiço, contra algumas matchs isso faz toda a diferença.
Fogs
  • Fog – A curvatura de 1 mana é necessária para continuar comprando e conseguir prevenir o combate. Também é importante contra anulações, quando o primeiro fog é anulado não é difícil segurar mais uma mana e manter esse no backup.
  • Tangle – Paralisar as criaturas por 1 turno a mais é uma vantagem e tanto.
  • Moment’s Peace – Melhor fog de todos e tem sinergia com o automill.
  • Quiet Disrepair – Não é exatamente um fog, mas tem a mesma função de segurar o jogo. Use em seus artefatos/encantamentos menos vulneráveis para evitar uma destruição 2/1.
Anulações
  • Muddle the Mixture – A necessidade de 2 manas azuis dificulta um pouco e o tutor é um tanto pesado. Pode te atrasar demais se vier nos turnos iniciais. Por esses motivos não uso 4 cópias. O Muddle the Mixture se mostra um bom contra-ataque contra burn e anulações e tutora todas as principais peças do deck.
Terrenos
  • Island
  • Forest
  • Seat of the Synod – Outra opção para o Quiet Disrepair. Como uso apenas 4 florestas, é importante que elas sejam fáceis de tutorar com os fetch lands. Por isso uso Seat of the Synod e não Tree of Tales.
  • Terramorphic Expanse – Possui sinergia com o restante do deck. Funciona bem desde o primeiro turno e limpa cartas indesejadas do Ponder e do Brainstorm. Muitos jogadores argumentam que as fetchlands “secam” o deck e diminuem a chance de comprar outros terrenos. Em muitos casos isso é questionável, já que em jogos rápidos um ou outro terreno a menos no deck praticamente não afeta nada. No Turbo Fog é diferente, você compra o deck quase todo e cada recurso é importante. Por isso o Terramorphic Expanse e o Ash Barrens ajudam a fortalecer o final de jogo.
  • Ash Barrens – Semelhante ao Terramorphic Expanse. Quase sempre considero até melhor por poder buscar um terreno pronto para ser usado. Sua desvantagem é na mão inicial, quando vem 2 dele sem outros terrenos é um mulligan certo.
Sideboard
  • Quiet Disrepair – Importante contra decks que abusam de raios, como o próprio Burn, o UR control e o Boros Kuldotha. Também oferecem vantagem contra o Monoblack, que agride pouco e não consegue tirá-lo do campo.
  • Matsu-Tribe Sniper – É fundamental ter cartas contra o monoblue/UR fadas. É um pouco mais lento do que o Scattershot Archer, compensa isso parando o Delver of the Secrets e o Spire Golem.
  • Scattershot Archer – Matador de fadinhas.
  • Keep Watch – Garante a consistência contra Stompy e outros decks de muitas criaturas rápidas.
  • Arcane Denial – Especialmente forte contra baralhos que já possuem card advantage naturalmente e ficarão entalados, como o Tron e o UB Control. Também é uma boa carta para se prevenir do Flaring Pain.
  • Hydroblast – Contra decks vermelhos em geral, com especial foco em Burn, UR Blitz e UR Control.
  • Dispel – Contra anulações e raios.
Menções Honrosas

Aqui estão algumas cartas em potencial que não encontraram seu espaço.

  • Dream Twist – usei nas minhas builds iniciais e não fiquei satisfeito. No fim de jogo, com ele no cemitério, beleza, adianta bastante o kill. O problema é quando Dream Twist aparece na mão, principalmente na correria dos primeiros turnos, é praticamente uma carta morta.
  • Preordain – Não possui a sinergia de Brainstorm e Ponder.
  • Thought Scour – Millar dois pode ser útil ao lado do Brainstorm, mas não muito mais do que isso. O impacto é muito baixo e não ajuda a encontrar o que está precisando.
  • Words of Wisdom – Não gosto de dar card advantage para o oponente. Não é necessária contra matchs favoráveis e contra matchs ruins essa carta só piora tudo.
  • Deep Analysis – Perder 3 de vida é um pouco forçado, além de que por custo 4 fica difícil de castar da mão.
  • Respite – Contra um oponente que saiba atacar corretamente pode ser melhor do que o Tangle. Talvez eu use 1 ou 2 cópias em testes futuros.
  • Arcane Denial – É um topdeck fraco, por vezes fica entalado na mão e contra alguns decks, principalmente os que abusam de burns e anulaões, é muito ruim oferecer recursos. Sempre há a opção de usar em outra mágica própria para comprar cartas.
  • Memory Lapse – É uma opção de hard counter por 2 manas sem necessitar de 2 azuis e sem dar card advantage para o oponente. Uma jogada legal é usá-lo contra o Flaring Pain conjurado da mão e queimá-lo do topo no final do turno. Assim você pode evitar o flashback por uma rodada, as vezes é o suficiente para se recompor e se preparar para a volta.
  • Thornwood Falls – Preferi a sinergia dos fetchs à vida ganha nesse terreno.
  • Radiant Fountain – Já cheguei a usar 2 de main. O deck tem muitas cartas que podem ser castadas com a mana incolor então não costuma atrapalhar. O problema é que no início do jogo é importante conseguir uma floresta e uma ilha o quanto antes, e nisso o Radiant Fountain me deixou na mão algumas vezes.

Plano de Jogo

O turbofog possui número reduzido de terrenos, por isso use as cantrips e compras nos primeiros turnos para encontrá-los. Contra decks agressivos se não tiver o 3º terreno deixe os Jace’s Erasure para descer depois e caste primeiramente suas compras.

Uma vez que o jogo está avançado, seu objetivo é garantir fogs todos os turnos e continuar comprando o máximo possível para não faltar cartas. Se as cartas da mão acabarem, provavelmente o jogo estará perdido.

Já dizia o filósofo: baralhos profissionais não são o suficiente, é preciso estar com as regras em dia. É essencial entender as regras de prioridade e as etapas do combate para jogar corretamente com o Turbo Fog. Vamos entender como usar isso a nosso favor:

Fase de Combate

Início de Combate > Declaração de Atacantes > Declaração de Bloqueadoras > Dano de Combate > 2º Dano de Combate (se houver) > Final de Combate

Em cada etapa a primeira prioridade é do jogador ativo. Caso ele passe, a prioridade vai para o não-ativo. Nesse momento, o jogador não-ativo tem 2 escolhas: usar uma carta ou habilidade ou deixar que a etapa ou fase se encerre. Vou mostrar com um exemplo concreto: está na vez do oponente, que ataca com o Atog. Você, que conhece as regras, anuncia “sem bloqueio. Algum efeito?”. Ele te responde “não”. “Então levei o dano”. Nesse momento ele argumenta “Ah, se você não usou fog, então vou sacrificar meus artefatos”. “Juiz!!!”. Ele não pode fazer isso, pois te passou a prioridade na etapa de declaração de bloqueadoras, você não utilizou, então a etapa deve se encerrar, inicia-se a Etapa de Dano de Combate na qual antes de mais nada o dano é causado. Magic é um jogo falado, comunique-se bem com o oponente para evitar problemas.

Saiba também que na Etapas de Dano de Combate e Segunda Etapa de Dano de Combate (caso haja iniciativa ou golpe duplo) há abertura de prioridade aos jogadores após o dano ser resolvido, o mesmo acontece na Etapa de Final de Combate. O que há de útil nisso? Bem, em um de meus jogos demorei uns instantes a mais para perceber que essas prioridades são úteis. Foi contra um UR Blitz. Meu oponente usou o Flaring Pain e bateu com o Kiln Fiend com um dano não letal. Eu poderia usar um Tangle para que ele não desvirasse no próximo turno. Ele teria a chance de anular e fortalecer o Kiln Fiend, percebe? Por isso o momento correto nessa situação é após a resolução do dano, ainda na fase de combate. A mesma situação é aplicada ao Keep Watch.

Lidando com o Oponente

  • Aggros – São suas melhores matchs no g1. Não perca land drops. Deixe as kill conditions para o final, use agressivamente suas compras para encontrar terrenos e fogs.
  • Control – Desça os kill conditions o quanto antes para impor pressão e fugir de counters. Suas cartas de controle de criatura ficarão inúteis, isso te dará certa vantagem. Comemore se o oponente usar Pieces of the Puzzle ou Forbidden Alchemy. Nesses matchs é provável que o grimório dele queime antes do seu, então o Ghoulcaller’s Bell isoladamente se torna verdadeiramente uma kill condition.
  • Combos – Nos primeiros turnos não perca land drop e priorize suas compras de feitiço. Quando o jogo ficar mais perigoso jogue na retranca. Segure counters para impedir seu jogo e use suas mágicas quando possível no final do turno do oponente.
  • Decks de Burn – Anule o que for possível e busque os Quiet Disrepair, serão mais úteis do que os fogs.
  • Izzet Blitz e Izzet Pluzzle – Esses decks não possuem muitas kill conditions. Por isso, considere anular ou destruir suas kill conditions para ganhar tempo e impor controle. Hydroblast é seu melhor amigo pós-side.
  • Monoblue Delver e UR Delver – São dois matchs bem presentes e complicados. Os jogos são muito dinâmicos, dependendo da atitude tomada pelo oponente. Delver of the Secrets ou Ninja of the Deep Hours vão exigir fogs desde o princípio do jogo. Não deixe para anular apenas no último combate, pois ele terá anulações e tomará as rédeas do jogo. Faça-o gastar as anulações em cartas menos importantes para que as mais importantes caiam. No g2 os arqueiros ajudam bastante a se manter. Apesar de tudo, considero essa partida a mais divertida de todas.

Lidando com o sideboard

  • Hate cemitério – Aproveite o quanto antes suas cartas de flashback ou compras adicionais. Mille com o Ghoulcaller’s Bell no final do turno do oponente para evitar Bojuka Bog.
  • Hate artefatos – Os Ghoulcaller’s Bell te dão vantagem, mas não são cartas essenciais. Tome cuidado com os Seat of the Synod, pois se forem destruídos seu jogo pode ficar muito prejudicado. Evite de encantar 2 Quiet Disrepair na mesma permanente.
  • Hate encantamentos – Esse ataca diretamente suas kill conditions. Uma vez que o jogo está controlado não é tão impactante, basta descer outro. Evite descer mais de 1 encantamento para sofrer menos para Reverent Silence e Leave No Trace.
  • Flaring Pain – Infelizmente estamos na era dos Dinrova Tron. Como eles abusam de Moment’s Peace, é comum encontrar Flaring Pain nos decks aggros que possuem acesso ao vermelho. Fique ligado contra Burn, Monored Aggro, Bogles, Affinity e Izzet Drake. Para sobreviver ou você mantém a vida alta com o Quiet Disrepair para não perder de uma só vez ou se prepara com anulações. O Arcane Denial é a melhor opção neste caso.
  • Outras Kill Conditions – Alguns decks usarão outras Kill Conditions no side. As principais, que você deve estar preparado, são Fling e Viridian Longbow, então fique atento! Considere Arcane Denial, Hydroblast, Dispel e Quiet Disrepair para formular sua reação.
  • Fique de olho e analise a quantidade de cartas que o oponente puxa no g2. Principalmente se ele estiver se divertindo mais do que deveria ao sideboardear. Para ser mais preciso, preste atenção se ele não vai delicadamente adicionar todo o sideboard e jogar loucamente com 75 cartas. Essa estratégia não é particularmente forte ou eficiente, mas precisa de cuidados. Com 75 cartas a base de mana fica toda comprometida e cartas inúteis surgirão. Com isso é comum que ele desça poucos terrenos, venham poucos hates e não consiga pressionar o jogo. Evite o Ghoulcaller’s Bell para não suicidar e busque os Jace’s Erasure e Curse of the Bloody Tome o quanto antes. Isso deve ser o bastante para colocá-lo em seu devido lugar.

Conclusão

O Turbo Fog é difícil de pilotar, requer experiência para dominar as jogadas e muita persistência. Sua curva de aprendizagem é relativamente alta por estar sempre tomando pequenas e impactantes decisões de jogo. Essa mistura louca de frustração e diversão o torna um de meus baralhos favoritos.

Sobre Diego Nunes

Diego foi apresentado ao magic e joga desde 2001. No início achava Vizzerdrix a melhor carta do mundo, mas com o tempo foi tomando jeito. Atualmente jogador de Legacy e Pauper, adora as diferentes estratégias que o jogo permite e está sempre disposto a criar e jogar com listas tortas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *