quinta-feira , 16 agosto 2018
enpt
Home / Colunas / Command Beacon / Análise de Commander 2017: Vampiric Bloodlust

Análise de Commander 2017: Vampiric Bloodlust

Olá senhoras e senhores!
Bem vindos ao Command Beacon, a nossa coluna sobre Commander multiplayer aqui na Eternal Magic!

Após os dragões de Draconic Domination, hoje vamos ao terceiro artigo dos decks do Commander 2017, dessa vez com o Mardu tribal de vampiros, Vampiric Bloodlust (Sede de Sangue Vampírica)!

Deck – Vampiric Bloodlust (Produto Selado) (0)

Commander (1)
Edgar Markov

Criaturas (26)
Anowon, the Ruin Sage
Blood Artist
Blood Baron of Vizkopa
Bloodhusk Ritualist
Bloodline Necromancer
Bloodlord of Vaasgoth
Bloodsworn Steward
Butcher of Malakir
Captivating Vampire
Crimson Honor Guard
Dark Impostor
Drana, Kalastria Bloodchief
Falkenrath Noble
Kheru Mind-Eater
Licia, Sanguine Tribune
Malakir Bloodwitch
Mathas, Fiend Seeker
Patron of the Vein
Pawn of Ulamog
Rakish Heir
Sangromancer
Skeletal Vampire
Stromkirk Captain
Tithe Drinker
Vampire Nighthawk
Vein Drinker

Artefatos (10)
Blade of the Bloodchief
Boros Signet
Door of Destinies
Heirloom Blade
Orzhov Signet
Rakdos Signet
Skullclamp
Sol Ring
Well of Lost Dreams
Worn Powerstone

Encantamentos (8)
Black Market
Blind Obedience
Curse of Disturbance
Curse of Vitality
Kindred Boon
Outpost Siege
Sanguine Bond
Underworld Connections

Feitiços (11)
Ambition’s Cost
Blood Tribute
Consuming Vapors
Damnable Pact
Disrupt Decorum
Fell the Mighty
Kindred Charge
Merciless Eviction
New Blood
Read the Bones
Syphon Mind

Terrenos (37)
Akoum Refuge
Bloodfell Caves
Bojuka Bog
Boros Garrison
Boros Guildgate
Cinder Barrens
Command Tower
Evolving Wilds
Forsaken Sanctuary
Kabira Crossroads
Mountain
Nomad Outpost
Opal Palace
Orzhov Basilica
Orzhov Guildgate
Path of Ancestry
Plains
Rakdos Carnarium
Rakdos Guildgate
Scoured Barrens
Stone Quarry
Swamp
Terramorphic Expanse
Urborg Volcano
Wind-Scarred Crag

Vampiric Bloodlust é liderado por Edgar Markov e possui uma estratégia Midrange vinculada. Possui um bom número de criaturas, embora infelizmente muitas sejam de alto custo, o que permite abusar pouco da Eminência do nosso general. Entretanto permitem cavar pequenas vantagens enquanto sua mesa se desenvolve pouco a pouco, como por exemplo nos casos de Butcher of Malakir, Anowon, the Ruin Sage, Dark Impostor e Blood Artist. Ao mesmo tempo temos algumas criaturas que permitem tomar uma postura ofensiva e aumentar o poder das nossas criaturas: Patron of the Vein, Bloodlord of Vaasgoth, Captivating Vampire, Rakish Heir, Stromkirk Captain e o próprio Edgar Markov. Caso as coisas saiam de controle, o deck conta com remoções globais como a excelente Merciless Eviction e Fell the Mighty e remoções pontuais como Crackling Doom, Swords to Plowshares, Go For the Throat, Mortify, Return to Dust, New Blood e Consuming Vapors. Para manter a vantagem nesse jogo de atrito o deck conta com ferramentas para manter o Card Advantage constante, advindo por meio de Mathas, Fiend Seeker, Kheru Mind-Eater, Damnable Pact, Ambition’s Cost, Read the Bones, Syphon Mind, Skeletal Scrying, Well of Lost Dreams, Heirloom Blade, Skullclamp, Outpost Siege e Underworld Connections. Em geral, Vampiric Bloodlust conta com boas ferramentas para o ambiente selado e é uma boa escolha para esse tipo de disputa. Portanto, administre pequenas vantagens, atrapalhe o desenvolvimento dos oponentes enquanto promove o próprio e estabeleça domínio sobre a mesa.

E o que esse deck tem a nos oferecer fora do ambiente selado?

NOVAS CARTAS EM VAMPIRIC BLOODLUST

Por 4 manas você tem uma criatura 4/4 com Voar e que fornece Impeto e +2/+2 para seus comandantes. O fato de ser uma criatura a torna muito mais vulnerável a remoções, o que pode ser problemático já que provavelmente estará presente em um deck Voltron. Nesse tipo de deck pode ser uma opção viável se o seu comandante tiver custo de mana maior que 4, depender muito de Impeto e precisar de um aumento incremental no poder. Talvez seu uso mais interessante se dê em decks com comandantes com a habilidade Parceiro: Bruse Tarl, Boorish Herder, Akiri, Line-Slinger, Tana, the Bloodsower e Kraum, Ludevic’s Opus podem fazer bom proveito.


Dano condicional, que pode ser causado no próprio piloto, em uma carta sem grande impacto e alto custo? Acho bem ruim. Talvez alguém arrisque usar um deck Pain para atacar e punir quem não mantiver o comandante em campo, mas sinceramente, não vale o slot entre tantas opções melhores.


Para quem gosta de ver o circo pegar fogo essa é uma escolha divertida. Force as criaturas dos oponentes a atacar com Atiçar (Goad, até então não traduzida para o Português): seus oponentes se matam na pancadaria, você assiste enquanto se diverte e de bônus pode deixá-los sem bloqueadores. Pelo justo custo de 4 manas. Quem sabe em um Grixis Chaos ( junto a cartas como Cruel Entertainment e Domineering Will? Me soa como uma boa zoeira a ser pensada. Obviamente não é uma carta que vá impactar o formato, mas pode ver algum jogo em decks casuais.


Esse vampiro lembra um Nightveil Specter com uma forma de evasão piorada, custo menos restritivo e causando uma vantagem análoga a descarte, já que diminui o número de cartas na mão de um oponente. Porém é uma carta muito lenta para um ambiente multiplayer. Enquanto retira uma carta de um oponente (e isso a partir da curva 3), ainda existem outros oponentes que não foram prejudicados. O fato do oponente escolher a carta diminui bastante a vantagem teórica de você poder conjurá-la após exilada e será muito comum você simplesmente não conjurar praticamente nada relevante a partir desse efeito. E isso se ele se mantiver em campo.


Fornecer Indestrutível para criaturas usando um encantamento pode ter seu valor. Porém, Kindred Boon restringe esse efeito a um tipo específico de criaturas e mediante pagamento de , fornecendo um marcador de divindade sobre o alvo. Ou seja, para ser útil é um investimento mínimo de 6 manas para tornar uma criatura indestrutível. Por essa quantia de manas existem cartas muito mais relevantes. Talvez possa ser usado em Voltrons e tribais onde uma peça ou outra seja fundamental para o funcionamento de um deck. Ou se você for louco o suficiente para rodar isso em um deck com os Myojins, como reanimar Myojin of Night’s Reach e fornecer um marcador de divindade para ele. Acho loucura investir nisso. Mas não duvidaria alguém criar um deck com base nessa sinergia em um deck tribal de espíritos liderado por O-Kagachi, Vengeful Kami.


Esse foi o nosso spoiler exclusivo da coluna. Escrevi um artigo inteiro voltado para essa carta. Mas em resumo: em ambientes menos competitivos tem um grande potencial para causar grande estrago em decks tribais que usem vermelho, como Goblins, Elementais, Dragões, Fractius e Vampiros. Você irá criar cópias de criaturas de um tipo até o fim do turno, podendo desencadear habilidades ao entrarem em campo, abusar de sacrifícios decorrentes das fichas ou mesmo efeitos que aumentem esses números, criando inclusive massa crítica para ataques letais. O que limita o uso dessa carta? Seu custo de 6 manas. Um pouco menos e veríamos essa carta como uma staple em tribais Aggro.


Uma espécie de Control Magic, Feitiço e dependente de um Vampiro desvirado em campo. Ganhar o controle de uma criatura é uma das melhores formas de “remoção”, já que agrega valor ao nosso campo de batalha e pode ser devastador quando bem usado contra um comandante que seja pilar estrutural de um deck com poucas respostas. Com acesso a vermelho podemos usar efeitos de Reverberate, Howl of the Horde e Fork, extraindo maior potencial dessa mágica. Porém, roubar uma criatura pode não ser a melhor linha de jogo para tribais de vampiro, embora certamente possamos ter alguns comandantes desse tipo com montagem Thief Control e que possam fazer uso, como Olivia Voldaren, ou comandantes vampiros com a acesso a azul como Mirko Vosk, Mind Drinker, Jeleva, Nephalia’s Scourge e Garza Zol, Plague Queen. Monte esses decks por sua conta e risco.


Destruir uma criatura e ainda aumentar o poder das nossas? O que poderia estragar essa carta? Obviamente, o custo 6. Suponho que os decks tribais de vampiros em geral serão Aggro e um custo como esse teria que ter um efeito compatível para esse tipo de deck, como ganhar o jogo, já que temos por exemplo Coat of Arms que por meras 5 manas causa um impacto muito maior, a nível de arrastar a cara dos oponentes no asfalto. Se você optar por um deck Midrange tribal, ou não, ele passa a ser uma escolha interessante pois além de destruir uma criatura, ele por si só acaba ficando maior devido a isso e acaba possuindo um efeito semelhante ao de Anafenza, the Foremost, ao exilar as criaturas dos oponentes que morrerem. O custo ainda é muito elevado, mas com uma temática Reanimator possa ser viável.


Temos aqui uma nova staple em termos de proteção. Por um bom custo de 3 manas e velocidade instantânea, podemos proteger todas as nossas permanentes e nossos pontos de vida. Sabe aquele amiguinho que combou de Necrotic Ooze + Triskelion + Phyrexian Devourer, manteve a prioridade e mandou todo o dano na mesa? Pois é, você sobrevive intacto e o infeliz provavelmente estará em maus lençóis e com um deck minúsculo. Sabe aquele Armageddon sujo que você roda no deck? Pois é, com ao menos 7 manas na pilha, conjura essa gracinha seguida de um Teferi’s Protection. Seus oponentes vão adorar. Curioso foi que essa forma de proteção faz parte de uma mecânica a um bom tempo não usada: Alternância. Basicamente as permanentes que saem de fase deixam de existir, para todos os propósitos. Não desencadeiam nenhuma habilidade ao sair do campo por exemplo. Ao voltarem na fase de desvirar,  também não desencadeiam nenhuma habilidade. Marcadores e criaturas em metamorfose voltam da mesma maneira com estavam antes e com uma atualização das regras, até mesmo fichas. Teremos Dominária no ano que vem, será que esse poderia ser um indicativo da volta dessa habilidade? Veremos.

CRIATURAS LENDÁRIAS


Edgar Markov é o patriarca de todos os vampiros de Innistrad e avô do planeswalker Sorin Markov. O alquimista Edgar sempre buscou de forma incessante a imortalidade e foi em meio a uma crise sem precedentes de fome generalizada em Innistrad que ele foi tentado pelo demônio Shilgengar a iniciar experimentos com sangromancia. Em um rito com outros, incluso seu neto, aprisionou um anjo, profanou sangue sagrado e despertou a sede vampírica nos presentes, iniciando uma nova era de trevas no plano.

Como comandante dessa tribo foi uma ótimo escolha em termos de flavor e mecânicas. Embora muitos não visualizem Mardu () como a cor dos vampiros por conta do Branco, lembrem-se que existem alguns desses na combinação Orzhov () e que em Ixalan teremos membros dessa tribo na cor Branca, o que poderá trazer boas novas adições. Mas nos atenhamos a Edgar Markov. Seu custo é relativamente elevado e não possui nenhuma forma de evasão, como Voar ou Atropelar, mas suas demais habilidades são altamente sinérgicas. Sem absolutamente nunca ser conjurado, sua Eminência permite encher o campo de batalha com fichas de Vampiros 1/1 toda vez que conjurar uma mágica de Vampiro. E embora o deck selado não traga essa característica, são muitas vezes criaturas de baixo custo com alto potencial agressivo, então é relativamente simples acontecer de, por exemplo, baixar no turno 1 Stromkirk Noble, e turno 2 Indulgent Aristocrat e Vampire Lacerator para termos um total de 6 criaturas já no segundo turno. E isso com suporte Branco e Vermelho para transformar tudo isso em um verdadeiro exército de pura agressão, já possui diversos efeitos que dão suporte para um grande número de criaturas. A última habilidade do nosso comandante, inclusive, investe nisso já que permite, ao simples ato de atacar, colocar um marcador +1/+1 em cada Vampiro que controlamos. Nesse sentido, os melhores arquétipos para se desenvolver com Edgar Markov são Linear Aggro e Swarm, especialmente o último, já que conseguiremos uma massa crítica de criaturas com relativa facilidade.

Deck – Edgar Markov (Swarm) (0)

Commander (1)
Edgar Markov

Criaturas (31)
Blood Artist
Bloodghast
Bloodline Keeper Flip
Captivating Vampire
Drana, Liberator of Malakir
Falkenrath Exterminator
Falkenrath Gorger
Gatekeeper of Malakir
Gifted Aetherborn
Indulgent Aristocrat
Insolent Neonate
Jazal Goldmane
Kalastria Highborn
Kalitas, Traitor of Ghet
Malakir Bloodwitch
Marton Stromgald
Mikaeus, the Lunarch
Mirror Entity
Purphoros, God of the Forge
Rakish Heir
Shadow Alley Denizen
Stromkirk Captain
Stromkirk Condemned
Stromkirk Noble
Taurean Mauler
Vampire Cutthroat
Vampire Hexmage
Vampire Lacerator
Vampire Nighthawk
Vampire Nocturnus
Viscera Seer

Planeswalker (1)
Sorin, Lord of Innistrad

Artefatos (13)
Boros Signet
Chrome Mox
Coat of Arms
Door of Destinies
Fellwar Stone
Mana Crypt
Mana Vault
Mox Diamond
Orzhov Signet
Rakdos Signet
Skullclamp
Sol Ring
Throne of the God-Pharaoh

Encantamentos (8)
Anointed Procession
Carnival of Souls
Cathars’ Crusade
Curse of Opulence
Impact Tremors
Phyrexian Arena
Shared Animosity
Stensia Masquerade

Feitiços (5)
Armageddon
Demonic Tutor
Imperial Seal
Ravages of War
Wheel of Fortune

Mágicas Instantâneas (8)
Anguished Unmaking
Boros Charm
Enlightened Tutor
Path to Exile
Rootborn Defenses
Tears of Rage
Teferi’s Protection
Vampiric Tutor

Terrenos (33)
Ancient Tomb
Arid Mesa
Badlands
Blood Crypt
Bloodstained Mire
Cavern of Souls
Clifftop Retreat
Command Tower
Dragonskull Summit
Flooded Strand
Godless Shrine
Isolated Chapel
Marsh Flats
Mountain
Mutavault
Plains
Plateau
Polluted Delta
Sacred Foundry
Scalding Tarn
Scrubland
Smoldering Marsh
Strip Mine
Swamp
Urborg, Tomb of Yawgmoth
Vault of the Archangel
Verdant Catacombs
Windswept Heath
Wooded Foothills

Seguimos aqui nessa lista a linha básica para Edgar Markov: Swarm. Ou seja, o nosso foco é infestar o campo de batalha povoado por uma quantidade imensa de criaturas, torná-las ameaçadoras e vencer. Para tanto, o deck precisa ser rápido e contar com uma boa curva de mana, ou seja, efetivamente conjurar mágicas em todos os primeiros turnos, mantendo a pressão sobre os oponentes. Pra tanto, contamos com um total de 8 Vampiros custo 1 (Falkeranth Gorger, Indulgent Aristocrat, Insolent Neonate, Shadow Alley Denizen, Stromkirk Noble, Vampire Cutthroat, Vampire Lacerator e Viscera Seer), 8 custo 2 (Blood Artist, Bloodghast, Falkenrath Exterminator, Gatekeeper of Malakir, Gifted Aetherborn, Kalastria Highborn, Stromkirk Condemned e Vampire Hexmage), 8 custo 3 (Captivating Vampire, Drana, Liberator of Malakir, Mirror Entity, Rakish Heir, Stromkirk Captain, Tauren Mauler e Vampire Nighthawk), 3 custo 4 (Bloodline Keeper, Kalitas, Traitor of Geth e Vampire Nocturnus), 1 custo 5 (Malakir Bloodwitch) e no topo da curva, Edgar Markov com seu custo 6. De bônus ainda temos Mutavault. Entre os Vampiros, cabe o destaque a Indulgent Aristocrat, Stromkirk Condemned, Captivating Vampire, Drana, Liberator of Malakir, Mirror Entity, Rakish Heir, Stromkirk Captain e Bloodline Keeper, todos podendo inflar suas hordas. As poucas criaturas não-Vampiro do deck oferecem suporte para a agressão: Mikaeus, the Lunarch, Jazal Goldmane e Marton Stromgald fortalecem aquelas que já existem enquanto Purphoros, God of the Forge fornece alcance na forma de dano ao apostarmos em encher nosso campo, ainda podendo inflar nosso exército mediante o pagamento de . Entre os demais tipos de cartas, Throne of the God-Pharaoh e Impact Tremors funcionam como dano a mais, baseado nas nossas numerosas criaturas. Anointed Procession permite aumentar ainda mais essa quantia, enquanto Door of Destinies, Coat of Arms, Shared Animosity, Stensia Masquerade, Cathar’s Crusade, Sorin, Lord of Innistrad e Tears of Rage podem ajudar a finalizar rapidamente a partida com dano massivo. Para termos um inicio de jogo explosivo, além das criaturas de baixo custo, contamos com diversos mana rocks, Curse of Opulence e Carnival of Souls. Armageddon e Ravages of War permitem destruir o jogo dos demais enquanto temos vários atacantes de baixo custo mantendo a pressão. Remoções pontuais permitem lidar com criaturas problemáticas como Elesh Norn, Grand Cenobite. Para manter um bom número de cartas na mão após secá-la rapidamente podemos contar ainda com Phyrexian Arena, Wheel of Fortune e Skullclamp, fenomenal nesse deck. Por fim, protegendo nossa mesa contra remoções globais usamos Boros Charm, Rootborn Defenses e Teferi’s Protection. Seus oponentes vão adorar investir recursos para limpar sua mesa e não surtir efeito, enquanto seu exercito cresce cada vez mais.


Licia, Sanguine Tribune é uma general conhecida por ser impiedosa e portar um par de espadas que já bebeu o sangue de inúmeras vítimas, incluindo um anjo, ao qual a general usa suas penas orgulhosamente como um troféu em seu elmo. Infelizmente, ao meu ver, um deck liderado por Licia, Sanguine Tribune peca em diversidade. Para bem aproveitá-la a construção é óbvia: minimizar ao máximo seu custo com ganhos de vida e investir no dano de comandante. A pergunta que deve ser feita é: Voltron Aggro ou Voltron Control? A partir disso se guie pela linha base para construir o deck. Importante ser observado um detalhe: a sua habilidade de colocar 3 marcadores +1/+1 se dá mediante o pagamento de 5 pontos de vida, mas apenas uma vez por turno. Isso significa que ela pode ficar com poder total 7 no turno que entra e 10 de poder no turno seguinte. Sua identidade Boros () fornece as melhores ferramentas para Golpe Duplo no jogo. Ou seja, no turno seguinte ao que ela cair, com qualquer efeito que aumente o seu poder em 1 (indo para 11) e qualquer Golpe Duplo, um oponente recebe dano letal de comandante. Além de que você vai ganhar lindos 22 pontos de vida a mais devido ao Vinculo com a Vida. Seus defeitos? O mais gritante é a falta de evasão para maximizar seu dano. Qualquer ficha de Esquilo 1/1 já atrasa seu jogo. A sua outra falha é seu custo excessivamente alto e dependente do ganho de vida para se tornar justo. Caso essas barreiras sejam superadas, Licia se torna uma ameaça real para qualquer um na mesa. Já entre as 99 cartas não acredito que verá jogo.

Deck – Licia, Sanguine Tribune (Voltron Aggro) (0)

Commander (1)
Licia, Sanguine Tribune

Criaturas (10)
Augur il-Vec
Bastion Protector
Bruse Tarl, Boorish Herder
Cataclysmic Gearhulk
Lightning Mauler
Martyr of Sands
Mother of Runes
Serra Ascendant
Silverblade Paladin
Tavern Swindler

Planeswalker (1)
Ajani, Caller of the Pride

Artefatos (21)
Aetherflux Reservoir
Boros Signet
Chrome Mox
Elixir of Immortality
Fellwar Stone
Mana Crypt
Mana Vault
Mox Diamond
Orzhov Signet
Power Matrix
Pristine Talisman
Rakdos Signet
Sensei’s Divining Top
Sol Ring
Sunbeam Spellbomb
Swiftfoot Boots
Sword of Feast and Famine
Talisman of Indulgence
Torpor Orb
Trailblazer’s Boots
Umezawa’s Jitte

Encantamentos (10)
Aggravated Assault
Blind Obedience
Blood Mist
Duelist’s Heritage
Fervor
Flickering Ward
Gryff’s Boon
Mass Hysteria
Sunspring Expedition
Words of Worship

Feitiços (11)
Armageddon
Cataclysm
Chaplain’s Blessing
Demonic Tutor
Imperial Seal
Ravages of War
Razia’s Purification
Seize the Day
Toxic Deluge
Tragic Arrogance
Vandalblast

Mágicas Instantâneas (12)
Anguished Unmaking
Boros Charm
Enlightened Tutor
Path to Exile
Savage Beating
Swords to Plowshares
Teferi’s Protection
Temur Battle Rage
Terminate
Uncaged Fury
Vampiric Tutor
Wear // Tear

Terrenos (34)
Ancient Tomb
Arid Mesa
Badlands
Blood Crypt
Bloodstained Mire
Cathedral of War
Clifftop Retreat
Command Tower
Dragonskull Summit
Flooded Strand
Godless Shrine
Homeward Path
Isolated Chapel
Marsh Flats
Mountain
Plains
Plateau
Polluted Delta
Rogue’s Passage
Sacred Foundry
Scalding Tarn
Scrubland
Smoldering Marsh
Strip Mine
Sunhome, Fortress of the Legion
Swamp
Urborg, Tomb of Yawgmoth
Verdant Catacombs
Windswept Heath
Wooded Foothills

O caminho pelo qual optei nessa construção foi o Voltron Aggro. Então é essencial que Licia, Sanguine Tribune entre rapidamente em campo e comece a agredir o mais forte possível.  Para acelerar seu sua conjuração, além dos clássicos mana rocks temos aqui o ganho de vida. O mais comum será tê-la em campo no turno 4, mas é possível conjurá-la no 2 com as condições ideias. Em quaisquer desses cenários o que realmente importa é ganho de vida para acelerá-la, sendo o 5 número mágico: 5 pontos de vida para seu custo ser efetivamente . Para tanto fazemos o uso de Martyr of Sands, Serra Ascendant, Augur il-Vec (fornecendo apenas 4 de vida, mas ainda uma boa redução), Tavern Swindler (contando com a sorte), Elixir of Immortality, Sunbeam Spellbomb, Blind Obedience, Chaplain’s Blessing, Sunspring Expedition e Words of Worship. Após entrar, não é vital que tenha Impeto como normalmente ocorre com os Voltron, embora contemos aqui com Lightning Mauler, Swiftfoot Boots e Mass Hysteria. Aqui será necessário 1 rodada em jogo para garantir a eliminação de ao menos um oponente. Como dito antes, ela entra 4/4, consome 5 pontos de vida para ficar com 3 marcadores e 7/7. Na volta, 10/10. A partir disso, qualquer efeito que aumente 1 mísero ponto de poder a eleva a um total de 11: Power Matrix, Uncaged Fury, Gryff’s Boon, Ajani, Caller of Pride e Cathedral of War. Ou para um poder acima de 11, Umezawa’s Jitte e Sword of Feast and Famine. A partir disso, Golpe Duplo tira um infeliz de jogo: Silverblade Paladin, Bruse Tarl, Boorish Herder, Temur Battle Rage, Boros Charm, Duelist’s Heritage, Blood Mist, Sunhome, Fortress of the Legion e os já citados Uncaged Fury e Ajani, Caller of the Pride. Combates extra como Seize the Day e Aggravated Assault também fazem o serviço. Destaque para Savage Beating que exerce o papel de Golpe Duplo e combate extra, podendo permitir tirar facilmente 2 jogadores da mesa. Para garantir que o seu ataque encaixará, além de remoções pontuais, contamos com Mother of Runes,  Trailblazer’s Boots, Sword of Feast and Famine (contra decks Verdes e/ou Pretos), Power Matrix, Flickering Ward, Gryff’s Boon e mais uma vez Ajani, Caller of the Pride, que se mostra aqui uma carta de grande valor para o deck. Cataclysmic Gearhulk, Tragic Arrogance, podem limpar o campo e manter nosso comandante, enquanto  Armageddon, Ravages of War, Cataclysm e Razia’s Purification podem ser o ponto final para a esperança dos oponentes.

Mathas, Fiend Seeker é movido pelo desejo de ser tornar o único vampiro de seu plano, o que o levou a trair sua raça e caçar seus iguais, marcando-os com um simbolo sagrado e os condenando a morte verdadeira. A sua marca se reflete em seu funcionamento mecânico: no inicio da sua etapa final, coloque um marcador de recompensa em uma criatura que um oponente controla e a partir dai, caso ela morra, os oponentes do controlador daquela criatura ganham 2 pontos de vida e compram uma carta. Mathas é portanto um comandante essencialmente politico,  e o melhor de tudo, por um ótimo custo . Negocie, distribua marcadores de recompensa nas criaturas indesejáveis e manipule o jogo ao seu favor. Claro que você irá montar um deck com uma grande quantidade de remoções pontuais, mas te garanto que você as usará numa frequência menor do que imaginas, já que seus oponentes farão o possível para matar as criaturas uns dos outros enquanto você constrói suas vantagens. Os arquétipos True Midrange, Stax, Pillowfort e, curiosamente, até Group Hug, são provavelmente os melhores caminhos a se seguir com esse comandante, e mesmo nesses decks é perfeitamente viável seu uso entre as 99.
Deck – Mathas, Fiend Seeker (Pillowfort) (0)

Commander (1)
Mathas, Fiend Seeker

Criaturas (17)
Avatar of Woe
Aven Mindcensor
Bounty Hunter
Eidolon of Rhetoric
Harvester of Souls
Hunter of Eyeblights
Kulrath Knight
Linvala, Keeper of Silence
Michiko Konda, Truth Seeker
Ophiomancer
Orzhov Advokist
Queen Marchesa
Royal Assassin
Sheoldred, Whispering One
The Scorpion God
Visara the Dreadful
Windborn Muse

Planeswalker (1)
Ob Nixilis Reignited

Artefatos (15)
Boros Signet
Chrome Mox
Fellwar Stone
Glaring Spotlight
Helm of Obedience
Mana Crypt
Mana Vault
Mox Diamond
Orzhov Signet
Rakdos Signet
Sensei’s Divining Top
Sol Ring
Strionic Resonator
Talisman of Indulgence
Torpor Orb

Encantamentos (12)
Ghostly Prison
Island Sanctuary
Karmic Justice
Leyline of the Void
Nevermore
No Mercy
Null Chamber
Phyrexian Arena
Rest in Peace
Rule of Law
Sphere of Safety
Stranglehold

Feitiços (7)
Demonic Tutor
Diabolic Edict
Dreadbore
Imperial Seal
Toxic Deluge
Vandalblast
Vindicate

Mágicas Instantâneas (12)
Anguished Unmaking
Crackling Doom
Enlightened Tutor
Go for the Throat
Malicious Affliction
Mortify
Return to Dust
Teferi’s Protection
Terminate
Tragic Slip
Vampiric Tutor
Wear // Tear

Terrenos (35)
Ancient Tomb
Arcane Lighthouse
Arid Mesa
Badlands
Blood Crypt
Bloodstained Mire
Clifftop Retreat
Command Tower
Dragonskull Summit
Flooded Strand
Forbidden Orchard
Godless Shrine
Isolated Chapel
Marsh Flats
Mountain
Plains
Plateau
Polluted Delta
Sacred Foundry
Scalding Tarn
Scrubland
Smoldering Marsh
Strip Mine
Swamp
Urborg, Tomb of Yawgmoth
Verdant Catacombs
Windswept Heath
Wooded Foothills

A lista que trago possui uma roupagem mais voltada para o Pillowfort, edificando defesas sólidas, controlando ameaças maiores e ganhando tempo até o derradeiro fim, que nessa lista vem principalmente na forma do combo Rest in Peace / Leyline of the Void + Helm of Obedience, acabando com as cartas dos grimórios dos oponentes, 1 a 1. Dessa forma, como ganhamos tempo até alcançar esse momento? Primeiramente, fazendo com que seu oponentes percam o deles removendo as criaturas uns dos outros para não ficarem atrás em termos de Card Advantage, então, Mathas, Fiend Seeker deve distribuir seus marcadores de recompensa de forma inteligente. Para garantir que seus alvos morrerão, contamos com uma grande diversidade de remoções, na forma de feitiços, mágicas instantâneas e até criaturas: Dreadbore, Vindicate, Diabolic Edict, Go for the Throat, Malicious Affliction, Tragic Slip, Terminate, Crackling Doom, Mortify, Ob Nixilis, Reignited, Royal Assassin, Bounty Hunter (que possui uma ótima sinergia com Mathas, já que ambos usam marcadores de recompensa), Hunter of Eyeblights, The Scorpion God (podendo permitir a compra de 2 cartas por morte), Visara the Dreadful, Sheoldred, Whispering One e Avatar of Woe. Fora o Toxic Deluge para situações de emergência. Alguns elementos de Stax ajudam a impedir que algum jogador tome a dianteira, então Aven Mindcensor, Stranglehold, Eidolon of Rhetoric, Linvala, Keeper of Silence, Torpor Orb, Rest in Peace, Leyline of the Void, Rule of Law, Nevermore e Null Chamber vão garantir que alguém vai sair insatisfeito. A partir do momento em realmente começar a incomodar e atrair o ódio, a parcela Pillowfort entra em ação para protegê-lo: Ophiomancer, Orzhov Advokist, Michiko Konda, Truth Seeker, Windborn Muse, Kulrath Knight (outra ótima sinergia com Mathas), Island Sanctuary, Ghostly Prison, Sphere of Safety, Karmic Justice e No Mercy. Teferi’s Protection ainda irá garantir que nenhum Cyclonic Rift intrometido atrapalhe sua vida. Para manter o fluxo de compras, além de Mathas fazemos um bom uso de Queen Marchesa, The Scorpion God, Harvester of Souls, Phyrexian Arena e Ob Nixilis, Reignited, onde todas permitirão mantê-lo a frente dos demais no número de cartas enquanto efetivamente manipula e controla o jogo.

Meus queridos, com essa última lista finalizamos o artigo da semana. Espero que tenham aproveitado a leitura! Até breve com o último deck de Commander 2017, Arcane Wizardry!

Sobre Mateus Nogueira

Professor da rede pública de ensino no Distrito Federal, formado em Ciências Biológicas, nerd multiclasse, já jogou e aprecia diversos formatos de Magic: the Gathering. É especialmente apaixonado pelo Commander em sua vertente multiplayer, sendo um infeliz sem alma, apreciador de Stax e Combos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *