quarta-feira , 22 novembro 2017
enpt
Home / Colunas / Modern Semanal / Jundvine 2017 – O Retorno da Jereba

Jundvine 2017 – O Retorno da Jereba

Olá e sejam bem-vindos ao Modern Semanal! Desta vez trago um deck que é uma releitura do arquétipo que já assombrou os confins do low-tier diversas vezes e agora retorna com o que parece ser sua forma final: Jundvine!

Segue uma das listas que se destacou no Magic Online recentemente:

Jundvine por a_p_s na Competitive Modern League de 02 de Setembro de 2017 (60)
Death’s Shadow
Griselbrand
Gurmag Angler
Hollow One
Insolent Neonate
Street Wraith
Vengevine
Goryo’s Vengeance
Blood Crypt
Bloodstained Mire
Overgrown Tomb
Stomping Ground
Swamp
Verdant Catacombs
Wooded Foothills
Cathartic Reunion
Faithless Looting
Thoughtseize

O que é melhor que usar um monte de carta estranha, cuspir na cara do card advantage e ver a confusão do seu oponente com 2 4/4 e um 4/3 haste em campo no turno dois TOTALMENTE DO NADA? Exatamente, fazer isso tudo e ainda voltar com um Griselbrand cheio de ódio e haste do cemitério para sambar na confusão dos seus amiguinhos. Faltam-me palavras para descrever o pleno extâse que é vomitar dois Hollow One e um número qualquer entre 0 e 4 Vengevine depois de algumas interações divertidas entre Insolent Neonate, Faithless Looting e Cathartic Reunion!

Com alguns descartes e Goryo’s Vengeance fica bem fácil comprar 7 (ou até 14) cartas e conseguir fazer um board destruidor. Algumas versões desse deck usam o Simian Spirit Guide para ter um pouco mais de explosão, mas o maior sucesso foi encontrado por esta lista mais conservadora (se é que se pode chamar um deck desses de conservador). Aqui o Thoughtseize faz jornada dupla tanto pra proteger suas interações quanto para descartar alguma carta de sua própria mão para depois trazê-la de volta ao campo de batalha, somada com as fetches, shocklands, Street Wraith e o dano que seu oponente possa causar, uma criatura muito famosa do Modern acaba se esgueirando para dentro deste deck: o Death’s Shadow tem potencial para ficar muito grande e, mesmo quando isso não é possível, já representa mais uma criatura barata que facilita trazer o Vengevine para o campo!

Uma questão muito importante para jogar com esse tipo de deck é a atenção aos mulligans – como ele possui bastante recursão em cartas de compra e descarte, o ideal é mulligar o mínimo possível! Algumas mãos muito ruins podem facilmente se tornar combo-kills com os draws certas e boas linhas; é verdade que a presença de dois combos diferentes torna um pouco mais complicada essa avaliação, mas também traz a segurança de ter duas formas de ataque diferentes que devem ser combatidas (três se contar que ainda há o Death’s Shadow).

Achou que a mãe da Chandra estava chorando na arte de Cathartic Reunion por ter reencontrado sua filha? Achou errado! Ela está olhando pros céus e imaginando quanto de dano ela pode causar com pouco esforço pilotando esse deck! Ou pura tristeza após levar uma Grafdigger’s Cage ou Rest in Peace, nunca saberemos. Mas podemos nos preparar para o pior com uma rápida análise do Sideboard!

Sideboard: (15)
Nihil Spellbomb
Big Game Hunter
[Grim Lavamancer
Ancient Grudge
Collective Brutality
Pyroclasm

Lingering Souls é uma carta muito boa contra esse deck, já que a maioria das listas não adotou o Temur Battle-Rage – um campo cheio de criaturas pequenas também seria problemático, então o Pyroclasm logo acha seu lugar no side. Grim Lavamancer também ajuda com criaturas menores e as vezes até fecha o dano mirando na cara de seus oponentes algumas vezes. Olhando para as maiores criaturas temos o Big Game Hunter, que interage muito bem com os cicladores do deck!

Ancient Grudge resolve todos os problemas que podem vir em forma de artefatos, sejam as criaturas do Affinity ou mesmo Grafdigger’s Cage. As Nihil Spellbomb vem como hate de cemitério da vez: pelo fato de não afetarem o seu próprio cemitério e ainda garantir o draw a fazem a melhor escolha pra esse deck já que Leyline of the Void provavelmente diluiria demais a redundância do deck. Finalmente a Collective Brutality vem como uma luva nesse deck, podendo resolver todo tipo de hate em forma de mágicas instantâneas, feitiços ou criaturas com poder menor que 2; vale ressaltar que em algumas situações o dano da drenagem de 2 pontos pode ser crucial para finalizar um jogo ou mesmo conseguir sobreviver ao dano de uma shock para combar no turno seguinte, isso tudo com o lado positivo de descartar uma ou duas criaturas do seu combo!

Mais um deck divertido e com um nível de poder bem considerável! Talvez com um pouco mais de lapidação e testes ele consiga colocar as Vengevine estabilizadas no tier 2, onde elas merecem estar. Pra quem gosta de resolver quebra-cabeças e colocar criaturas desbalanceadas em campo sem pagar o preço justo por elas é uma ótima escolha de deck!

Espero que tenham gostado e lembrem-se que sempre podem pedir decks ou outro tipo de conteúdo aqui nos comentários. Até semana que vem!

Sobre Raphael Prais

Jogador de Magic em Todos os Formatos, Amante do Modern e do Legacy, Pai dos Tokens de Elemental Vermelho 1/1, Protetor das Jerebas.

Um comentário

  1. Gostaria de pedir uma review completa de um dos baralhos mais menosprezados do modern: auras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *