terça-feira , 14 agosto 2018
enpt
Home / Colunas / Dano na Pilha / Standard UB Midrange

Standard UB Midrange

Olá, tudo bem? Hoje escrevo pela primeira vez aqui no site sobre o formato standard (mesmo este sendo o formato que mais jogo, de longe). No último GP aqui do Brasil joguei de Mardu Veículos em meio a Saheeli combos e aos Temur Tower Control. Durante o torneio cheguei a estar 10-2 quando joguei o mirror contra o Cassati que foi vice-campeão do torneio. Durante o último RPTQ eu perdi na segunda rodada para o Marcos De Jesus Freitas (Obama) e precisei ganhar 5 seguidas terminando 6-1,  passando em primeiro no suíço. Floodei o G3 depois de estabilizar contra o Mono Red em saudáveis 13 de vida no game que valia vaga para o Pro Tour. Mais recentemente no mês dos Fatal Push promo de FNM, eu venci todos os cinco torneios (um 4-0 ID e os outros quatro com 5-0) jogando um de Mardu Veículos, dois de GW Ramp Approach (build própria) e as últimas duas de Little Mardu (deck que debutou no nacional japonês).

Passado apresentações e resultados vamos ao que interessa. Durante a semana de spoilers da edição de Ixalan eu já tinha comprado dois The Scarab God e estava convencido que era a melhor criatura do standard. Com o Mono Red e Temur Energy sendo os dois grandes decks do formato, eu queria 4 Fatal Push e 4 Gifted Aetherborn no meu deck. Assim fiz uma primeira versão de UB Midrange com Champion of Wits, Noxious Gearhulk e a recém apresentada Hostage Taker. Mostrei a lista para alguns amigos antes do FNM iniciar e pedi opiniões e contribuições. Só depois de cerca de 3-4 semanas depois de Ixalan estar valendo que começou no MOL os primeiros UB Midranges com Kitesail Freebooter na versão mais piratas, ou UB Tappout Control apresentado por Gabriel Nassif no Channel Fireball. Não quero entrar muito nos detalhes de amadurecimento da lista, vamos direto a versão atual do deck.

CMC

Como vocês podem observar o gráfico de custos de mana convertido, 38% do deck têm custo dois, então por quê 26 terrenos? Não se deixem enganar, esse deck é extremamente mana hunger. Diversas vez eu fiz o décimo land drop e passei o turno completamente tapped. O melhor início que você pode abrir é com dual land de turno 1, seguido de Aether Hub e Glint-Sleeve Siphoner. No próximo turno você já tem dois de energia para comprar uma carta extra. Gifted Aetherborn precisa ser resolvido pelo Mono Red e pelo Temur. É ele junto da Glint que garantem o máximo aproveitamento de Chart A Course. Essa no turno 3 junto de Fatal Push garantem você estar à frente do jogo quase sempre. Walk the Plank permite você interagir com as criaturas de custo 3 como Rogue Refiner, Whirler Virtuoso e Rampaging Ferocidon. Gonti, Lord of Luxury é mais uma criatura dois-por-um e com deathtouch para trocar com Bristling Hydra.

Passado o início do jogo, chega a vez do The Scarab God. Se você joga standard atualmente eu não preciso escrever sobre o potencial desta carta. Ela me lembra os tempos de Jund no bloco de Innistrad, quando o oponente passava o turno com a sua Olivia Voldaren viva. Era quase sempre game. Torrential Gearhulk tem as melhores mágicas do formato como Glimmer of Genius e Vraska’s Contempt para dar alvo. Por último, mas não menos importante, Hostage Taker. Notem que adotei custo de mana convertido para ordenar a apresentação das criaturas. Eu normalmente conjuro a pirata como drop 6-8, quando você já pode conjurar imediatamente a criatura/artefato tomado como refém.

A última carta do deck principal que ainda faltou apresentar foi Liliana, Death’s Majesty. Como qualquer planeswalker, seu valor vai crescendo conforme turnos na mesa. Nesse deck, a sua habilidade de reviver uma criatura do cemitério é especialmente forte porque te permite diversos 2-por-1. Reviver The Scarab God ou Hostage Taker com as manas abertas é quase um sonho se tornando realidade. Gonti, Lord of Luxury e Torrential Gearhulk são ótimos alvos mesmo no turno em que você conjurou Liliana, Death’s Majesty.

O sideboard é bem direto. Essence Extraction e River’s Rebuke são cartas bem estreitas, mas são concessões que considero necessárias para o Mono Red e o Abzan/Esper Tokens respectivamente. Meu plano de side contra os três grandes atualmente:

MONO RED:

IN:

OUT:

TEMUR ENERGY:

IN:

OUT:

UB/UW CONTROL:

IN:

OUT:

TIPS AND TRICKS:

Dito tudo isso, encerro meu artigo sobre a minha versão de UB Midrange, ou UBerelli para os mais íntimos. Se você vai disputar um PPTQ nesse fim de semana ou nos próximos, fica aqui minha sugestão como uma opção sólida e bem posicionada no meta-game atual. Agradecer ao leitor que me prestigiou até aqui. O calendário deste mês está bem cheio de grandes torneios. Dias 4 e 5 de novembro encerra o CLC deste ano. Dia 12 em São Paulo tem RPTQ Modern valendo vaga para Barcelona. E ainda este mês tem o nacional Legacy. Me desejem sorte em todos eles. Até mais!

– Morelli

Sobre Morelli

Morelli é um entusiasta do Magic há 15 anos. Voltou a jogar competitivo em 2012. Jogando de Standard a Legacy passando por Duel Commander. Conquistou Top 32 em GP Rio e atualmente busca o Pro Tour.

2 Comentários

  1. Rodrigo valdeli de Souza

    Artigos sempre tops, continue assim King.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *