sábado , 20 outubro 2018
enpt
Home / Colunas / Modern Semanal / 60 é o novo 20

60 é o novo 20

Olá e sejam bem-vindos ao Modern Semanal! Nessa semana vamos explorar um dos arquétipos mais inusitados e divertidos que o Magic já nos proporcionou: Mill! Nada de se preocupar com a vida do seu amiguinho, ficar calculando quantos turnos você precisa bater pra terminar o jogo, NADA DESSA BESTEIRADA. Hoje é dia de pedir pra contar as cartas do deck dele e ver o olhar de mais puro terror toda vez que ele for estourar uma fetch! Hoje é dia de UB Mill!

UB Mill por ToyBird (7-0 Modern Challenge 21/10/2017) (60)
Mesmeric Orb
Hedron Crab
Fraying Sanity
Archive Trap
Crypt Incursion
Fatal Push
Surgical Extraction
Trapmaker’s Snare
Visions of Beyond
Breaking // Entering
Glimpse the Unthinkable
Mind Funeral
Field of Ruin
Flooded Strand
Island
Marsh Flats
Polluted Delta
Shelldock Isle
Swamp
Watery Grave

Começando pelas fontes recorrentes de mill temos Hedron Crab, Mesmeric Orb e Fraying Sanity. As duas primeiras são bem simples: o Crab tem esse delicioso landfall forte o suficiente para já ter feito com que ele fosse incluído em algumas listas de Dredge no passado (foi aposentado por Faithless Looting e sepultado pela Cathartic Reunion), seis cartas por qualquer fetchland que entre em campo e avance seu jogo já representa 10% de um deck completo; a Orb chega trazendo o ódio, pois se para ganhar de você ele precisa virar terrenos e atacar com criaturas, é justamente com essa necessidade que ele verá o deck esvaziar rapidamente. Agora some essas duas fontes fixas à recursão que Fraying Sanity traz ao deck e se prepare para chamar Visions of Beyond de Ancestral Recall.

O desafio aqui é não perder a cabeça com tantas cartas de Mill poderosas que povoam o Modern! Começando pela Archive Trap, TREZE cartas por custo 0 não é exatamente balanceado, muitos decks do formato são incapazes de desenvolver seus jogos sem procurar cartas no deck, seja por fetchlands ou mesmo um Summoner’s Pact o que torna o jogo mental da Trap uma questão forte ao jogar de Mill, de modo que a mera presença dessa carta já causa bastante pressão no oponente, facilitando a escolha de linhas que não sejam tão boas assim! Field of Ruin entra na jogada pra trazer ainda mais dificuldades nessa escolha, decidir entre perder uma land e seu oponente não perder nada no processo pela mera ameaça de uma carta cria muito espaço para decisões; estresse seus oponentes, eles merecem! Trapmaker’s Snare vem como uma forma segura de encontrar as traps e, como são mágicas instantâneas de custo 2, são bem fácies de castar na passagem quando seu oponente já baixou a guarda achando que não vai levar uma Archive Trap!

Breaking // Entering, Glimpse the Unthinkable e Mind Funeral são suas magias clássicas de Mill; as duas primeiras tombando um número fixo de cartas e a última se entrega a um fato mais aleatório, mas que na média acaba ultrapassando as outras duas. Todas são bem simples e não costumam exigir nenhum grande truque pro uso, apenas pagar o custo, colocar na mesa e ver o terror tomar os olhos do oponente.

Uma das maiores qualidades desse deck é a presença de boas cartas que funcionam como acessórios, pois elas são capazes de aliviar matchups mais complicados, aumentar o tempo de que você dispões para vencer por mill e até preencher sua mão com mais magias capazes de trazer o fim do jogo. Nessa lista as cartas escolhidas foram: Crypt Incursion, Fatal Push, Surgical Extraction, Visions of Beyond e Shelldock Isle.

A primeira é uma ótima forma de retirar criaturas com recursão do cemitério e ganhar muita vida contra decks aggr -; em tempos de um Modern com mais decks de criaturas já foi comum usar até 4 cópias dela no deck, mesmo com o custo elevado. Fatal Push é uma das melhores remoções do formato, e em muitas listas já foi trocado por Path to Exile que pelo custo de uma pequena piorada na manabase você tem acesso a uma remoção mais confiável e que ativa a Archive Trap, mas como nem sempre essa alteração vale a pena é perfeitamente aceitável adotar o Fatal Push já que ele cumpre a maioria das necessidades de remoção que esse deck tem.

Uma carta que costuma figurar em muitos sideboards do formato mas aqui brilha no main é Surgical Extraction; a quantidade de cópias no deck pode variar bastante, mas pelo menos uma é sempre necessidade como a única forma de retirar Emrakul, The Aeons Torn e outras cartas que façam você embaralhar o cemitério de volta ao grimório (a Cryptic Incursion também auxilia nessas horas, mas o custo de mana é de suma importância nesses momentos), outro detalhe importante da Surgical é o potencial de retirar mais cartas do deck de seu oponente! Por último mas não menos importantes temos Visions of Beyond e Shelldock Isle, que são duas maneiras muito interessantes de conseguir mais cartas e (com sorte) mais fontes de mill, as duas são cartas incomuns que acabam encaixando com uma luva nesse arquétipo. Pode chamar a Visions de Recall e fingir que está jogando Vintage sim amiguinho!

Chegamos no sideboard: (15)
Ensnaring Bridge
Profane Memento
Ravenous Trap
Damnation
Set Adrift

Bem simples e direto, Ensnaring Bridge é uma ótima carta para se defender de decks com grande número de criaturas que precisam bater pra ganhar, muitas vezes mesmo um Tarmogoyf 4/5 já não consegue bater por cima de uma delas. Profane Memento é uma novidade muito interessante que atrapalha com força os decks aggro e em conjunto com a Incursion é capaz de render muitos pontos de vida.

Damnation é um sweeper poderoso, capaz de limpar o board contra criaturas problemáticas que os Fatal Push do main deck não sejam capazes de lidar. Ravenous Trap vem como um mal necessário, já que decks como Dredge e Reanimator são matches extremamente complicadas pro mill e você depende de uma carta poderosa para resolver as situações mais complicadas no cemitério, além do interessante upside de poder buscá-la com o Trapmaker’s Snare. Terminamos com Set Adrift, uma carta interessante que pode ser facilmente castado por apenas uma mana azul nesse deck e que resolve alguns hates complicados (como Leyline of Sanctity) e até mesmo criaturas maiores que um Fatal Push.

Uma lista bem objetiva e capaz de traçar com tranquilidade uma linha vitoriosa, algumas mudanças ao gosto do piloto sempre são bem vindas como a escolha entre Fatal Push e Path to Exile ou a quantidade de Surgical Extraction entre o main e o side, mas claramente um deck capaz de bons resultados e jogos extremamente divertidos.

Espero que tenham gostado e lembrem-se que sempre podem pedir decks ou outro tipo de conteúdo aqui nos comentários. Até semana que vem!

Sobre Raphael Prais

Jogador de Magic em Todos os Formatos, Amante do Modern e do Legacy, Pai dos Tokens de Elemental Vermelho 1/1, Protetor das Jerebas.

Um comentário

  1. Sinceramente, ainda acho difícil lidar com leyline of sanctity, pois você terá poucas cartas no seu cemitério para usar o delve (já que não pode fazer mágicas que utilizem o oponente cono alvo) ficando apenas com duas opções:

    – usar mill em você mesmo quando já estiver com set adrift na mão;
    – contar com a ajuda de mesmeric orb que não visa o oponente como alvo.

    Isso sem contar o risco de levar um counter…

    Enfim, leyline continua sendo, na minha visão, a grande pedra no sapato do mill…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *