sábado , 16 dezembro 2017
enpt
Home / Entrevistas / Belumat e seus Eldrazis conquistam o #NL2017

Belumat e seus Eldrazis conquistam o #NL2017

Henrique Belumat foi o grande campeão do Nacional Legacy 2017. Superando os outros 148 competidores com seus Eldrazis, este mineiro de Belo Horizonte carimbou seu nome no cobiçado quadro de campeões dos nacionais, ao lado de Artur Villela, Gabriel Casas, David Oliveira, Aldo Andrade, Leandro Gurther e Stefano Silveira.

Sujeito tranquilo e sereno, porém atento e sagaz, Henrique entrou no campeonato com a expectativa de chegar ao Top16, mas após o início avassalador – único jogador a terminar o Day1 8-0 – começou a acreditar que poderia ir um pouco mais longe.

Segue a íntegra da entrevista concedida ao Eternal Magic.

Clique aqui para ver a lista de Henrique Belumat.

 

Qual sua idade e profissão?

Olá, leitores! Olá, Eternal Magic! Meu nome é Henrique Belumat, tenho 27 anos, sou redator e roteirista aqui em Belo Horizonte. Primeiramente é um prazer compartilhar com vocês um pouco de como foi minha experiência no Nacional Legacy 2017. O evento foi incrível! Pude bater papo e trocar figurinhas com gente de todo canto do Brasil. Comecei jogar Magic em 2001, mas só fui para o cenário competitivo em 2012 e para o Legacy em 2015. Esse foi o meu segundo Nacional Legacy (17º lugar em 2016).

 

Por que a escolha do deck?

Muitos já me reconheciam como jogador de Death & Taxes pelas minhas aparições na Liga Mineira de Legacy e no Nacional 2016. De fato, o D&T costuma ser a minha escolha segura, por sintonia e experiência com o baralho. Mas dessa vez, minha escolha foi puramente baseada em meta. A matemática foi a seguinte:

-Dos 20 deck mais jogados atualmente (usando o MTGO como referência), o Eldrazi tem 7 vantagens, 7 desvantagens e 6 matches justos. Porém, os good matchups correspondem a quase 50% do meta.

-Os deck que ganham de Eldrazi perdem para os 5 decks mais jogados, que correspondem a mais de 40% do meta.

A conclusão é que os meus bad matchups seriam naturalmente predados pelos meus good matchups, abrindo caminho para uma vantagem escalável ao longo de um torneio longo como o Nacional Legacy (12 rodadas). E de fato foi isso que aconteceu. A grande quantidade de 4C e Grixis foi essencial para rebaixar os combos logo nas primeiras rodadas do Day1.

 

Você foi o único a abrir 8-0. A que atribui esse resultado?

Cara, acredito que tenha sido uma combinação muito feliz de fatores. De fato, minha leitura de meta estava certa, isso foi importante. Outro ponto foi o pareamento nas primeiras 2 ou 3 rodadas, que me livrou dos combos mais problemáticos (enquanto provavelmente eles tinham que lidar com seus predadores).

Falando assim parece fácil, né? Mas enquanto as coisas que estavam fora do meu controle davam certo, eu também fiz meu dever de casa. Estava preparado e confiante para pilotar o deck e fiz partidas impecáveis. Pessoal já sabe que sou muito tranquilo e de fato eu estava muito concentrado.

 

Quais foram os piores matchs?

No Day1 eu perdi apenas 2 games, que foram justamente nos matches que mais me assustaram. O primeiro deles foi na terceira rodada contra o Daniel Nunes, de Fractius. Além de ser um deck muito agressivo, ele tem o potencial de alcançar o tamanho dos meus Eldrazi muito rapidamente. Ele ignora meus cálices e o crescimento sinérgico, aliado aos Cristalinos, deixa até minhas Jitte (geralmente MVP contra aggro) ineficientes.

O segundo foi contra o Marcos Morelli, de Thalia Stompy. Thalia, Heretic Cathar já seria o suficiente para definir partidas, mas ele ainda tinha o combo de Eldrazi Displacer com Palace Jailer ou Containment Priest. Com o tempo necessário, ele conseguiria me tirar do jogo. Mas os bons ventos sopraram ao meu favor e mãos muito agressivas ganharam os jogos 1 e 3.

Já no Day2, encontrei 3 pedreiras. Nas duas primeiras rodadas, enfrentei dois Grixis Delver. Pilotados pelo grande parceiro de BH Tomás Campos e pelo Carlos Tibério. A combinação de descartes, counters, wastelands, TNNs e Gurmags é fatal quando bem encaixada. Levei a melhor na primeira rodada e perdi na segunda indo a 9-1 no torneio. Na terceira rodada, enfrentei Felipe Duarte num match extremamente desfavorável, Lands, minha segunda e última derrota no fim de semana.

 

Em algum momento do torneio você achou que seria campeão ou só depois de vencer o quarto game da final?

Cara, jogar de Eldrazi é ingrato às vezes. Já tem um bom tempo que eu não passo dos 3-1 nos nossos semanais aqui em BH e isso tava me preocupando. Quando você joga com um deck que tem mania de perder sozinho e que é muito refém de variância, você tem que estar sempre preparado psicologicamente pra perder a próxima partida sem se abalar. É claro que esse risco alto também tem uma recompensa alta, e o deck se sai muito bem em um torneio com muitas rodadas, que permitem um ou outro pequeno deslize. Ao mesmo tempo que cria um alerta, esse pensamento me fez caminhar jogo a jogo, sabendo valorizar as vitórias e o meu próprio desempenho.

Meu objetivo ao sair de casa era morder um top16 (percebe-se que a perspectiva nem era tão alta haha). Um top8 já seria um excelente resultado, já que a bruxa da variância poderia aparecer e nos playoffs não há perdão. Mas ao final do Day1, eu sabia que era plenamente possível chegar à final.

E logo quem? Stefano Silveira, que eu assisti sendo campeão no ano passado. Mesmo com a vantagem de matchup, é sempre uma preocupação encontrar um jogador mundialmente reconhecido pelo desempenho com o Miracles. Como falei com o Guma, pra mim seria um prazer ser vice do Stefano e um prazer ainda maior ser campeão junto dele. Jogamos partidas amigáveis e demos muita risada, nem parecia uma final de Nacional Legacy.

 

Como foi seu treinamento para o torneio?

Treino com o deck desde os preparativos para São Lourenço (9º lugar). O nível do Legacy em BH é altíssimo e isso é fundamental para um bom preparo. Temos torneios semanais com uma média de 18 a 24 jogadores (maiores que Modern e Standard na cidade), além das 8 etapas anuais da LML. Nesse ano, nossa caravana de 13 pessoas colocou 4 jogadores no top 32 e 3 no top16. Com esse troféu em casa, quero inspirar ainda mais jogadores mineiros para o ano que vem.

Em BH, além da estrutura da UG Cardshop e do apoio também da Mana Factory (Betim) e da Pi Games (Itaúna), conseguimos uma turma grande de jogadores que mais parece uma família. Os Moicanos foram fundamentais para o meu preparo, tanto nos momentos de treino quanto nos de estudo. Moicanos, não tem caneco sem vocês, hein! (Lululululu)

 

Qual sua avaliação geral do torneio?

Impecável. A escolha dos dois endereços foi sensacional, tivemos ambientes confortáveis e agradáveis. O evento foi muito bem organizado, sem grandes atrasos ou contratempos e a equipe de juízes mandou bem demais. Os artistas convidados mandaram bem demais também. Vai ser um desafio para o Alex e equipe fazerem um Nacional ainda melhor ano que vem!

 

Fique à vontade para complementar.

Quero agradecer a todo mundo que me apoiou, que acreditou e que torceu por mim. Pessoal de BH que está pirando junto comigo e que me mandou energias positivas. A todos os jogadores que fortalecem o Legacy em MG e a LML. Ao pessoal que assistiu online e torceu pelo bigode. Aos 149 jogadores que participaram para o evento fosse inesquecível. À organização e equipe de juízes, que cuidaram para que tudo corresse bem. Ao Fausto, Guma e Eternal Magic por levar cada momento do torneio pra quem não pôde comparecer. Obrigado a todos e até já!

 

Sobre Fausto de Souza

Fausto de Souza, jogador e colecionador desde 1994, é pseudônimo do jornalista Marcelo Salles. Formado pela Universidade Federal Fluminense, tem 15 anos de experiência profissional em jornais, revistas e assessoria de imprensa, incluindo Jornal do Brasil e revista Caros Amigos.

5 Comentários

  1. Definitivamente, esse cara, sabe ganhar.

  2. Sou muito fã! Shotop (show + top)

  3. Baita entrevista. Parabéns ao novo campeão, foi um prazer sair pra bebemorar depois hehehe! =D

  4. Representou bem demais os Eldrazis! Esse cara é gente boníssima, parabéns!

  5. Andreas "Painho" Moser

    Parabéns jovem, como jogador de eldrazi sei como o deck pode ser ingrato com seu dono kkkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *