terça-feira , 24 abril 2018
enpt
Home / Colunas / God Hand / Pode vir quente que o Legacy tá fervendo

Pode vir quente que o Legacy tá fervendo

O Legacy brasileiro começou 2018 fervendo. Nada menos que 111 jogadores em quatro estados do país estiveram reunidos no último fim de semana para celebrar este que é um dos formatos que mais crescem em todo o mundo.

O nosso field está cada vez mais parecido com o internacional (medido pelo mtgtop8). Somando os três top8 tivemos 11 aggro/tempo, 7 control/mid/prision e 6 combos, que apesar de uma breve recuperação ainda vivem um momento muito ruim após o banimento do tampo, em abril do ano passado.

Em Novo Hamburgo, o Legacy RS, coordenado por Rafael Obrusnik, reuniu 36 players na Pharaoh’s Shop, e os melhores colocados foram os seguintes decks:

1 – Bug Delver
2 – 4c Deathblade
3 – Burn
4 – Miracles
5 – BR Reanimator
6 – UR Delver
7 – Infect
8 – Eldrazi

Salta aos olhos a presença do Infect no Top8, um deck que anda em baixa em todos os cantos do mundo. Segundo Rafael Obrusnik, que além de organizar os torneios no Rio Grande do Sul é um dos melhores pilotos de Infect em atividade no país, existe uma conjunção de fatores que levam à marginalização do deck: “O uso de remoções mais eficientes como Fatal Push, Éditos e Blessed Aliance, além do aumento do número de decks com Cálice do Vácuo e Blood Moon”, ressalta ele. “Tudo isso além dos combos de turno zero desencorajam o uso de um deck que não comba tão rápido e nem tem a consistência de um Midrange”, complementa Rafael.

SOBRE DEMÔNIOS E SOMBRAS – No Rio de Janeiro, a Alpha Legacy chegou à sua trigésima edição num torneio que comemorou os dois anos de sua existência com muito refrigerante, salgadinho e bolo para os participantes. Ao todo nada menos que 206 jogadores diferentes passaram pelos torneios da Alpha, cuja organização é de responsabilidade de Rodrigo “Marajá” e Felipe Duarte.

Na edição deste domingo fomos 35 duelistas e tivemos o seguinte Top8:

1 – BR Reanimator
2 – Death Shadow
3 – 4c Leovold
4 – Grixis Delver
5 – Elves
6 – UR Delver
7 – Mono Red Prision
8 – Elves

Fazer um Griselbrand no primeiro turno parece bom. Mas fazer isso com uma consistência próxima de 50% parece melhor ainda. E foi justamente assim que o senhor Galhardo, mais conhecido como Gralha, levou seu primeiro título da Alpha Legacy.

Gralha abriu 5-0 e era o único invicto ao enfrentar Humberto Rome, que estava 4-1, jogando, pela primeira vez num torneio Legacy do Rio de Janeiro, com o Death Shadow.

Aqui devo abrir um parêntesis importante. Humberto joga com frequência Modern e Pauper e pude acompanhar seus jogos bem de perto, na Magic Store Brasil. Assim que tive a oportunidade disse a ele que deveria tentar jogar o Legacy com o deck, substituindo as cantrips e os anulas, porém mantendo todas as shock lands.

Humberto de início pareceu não levar muita fé no que eu estava dizendo. De lá pra cá assistimos a um Death Shadow fazer Top16 no Nacional Legacy, pilotado por Rafael Rufino, e parece que isso animou o garoto. Ele finalmente tomou a decisão de disputar o torneio e fomos conversando durante duas semanas sobre o field, como sidear, em que momento usar cada carta etc.

O resultado está aí, “pra surdo ouvir, pra cego ver”: Humberto ficou em segundo lugar no torneio, sendo que venceu o campeão no confronto direto, com um deck que é praticamente todo Modern e, importante ressaltar, SEM NENHUMA CARTA DA RESERVED LIST. Depois clica lá no Mtgtop8 pra conferir. Grande resultado de um jogador excepcional, que me orgulha com sua amizade!

GRANDES DUELISTAS – Indo agora para São Paulo, onde o Open ABC reuniu 26 jogadores, em torneio realizado com apoio da Power Up Games, tivemos o mestre Diego Ganev como o grande campeão e figurinhas carimbadas do Legacy nacional no Top8, como Davi Pereira, Carlos Tibério e Guilherme Figueira. Nosso amigo Kim Diz merecia chegar lá, mas acabou ficando naquele incômodo nono lugar. Tem problema não, no início do mês será divulgado pelo Diogo Mignon o próximo torneio de vulto e os paulistas terão nova chance de esquentar as turbinas para um 2018 que promete muito.

1 – Bant Blade
2 – Goblins
3 – Grixis Delver
4 – UWR Miracles
5 – UB Faeries
6 – Death and Taxes
7 – RUG Delver
8 – Elves

Ganev e Davi começaram o ano mostrando a que vieram. Tibério, único Top8 de São Paulo no Nacional Legacy 2017, tem um enorme potencial para desenvolver ainda mais o seu jogo e, quem sabe, fincar a bandeira do Brasil no Top8 do próximo GP Legacy. Guilherme e Kim, ambos com Goblins, mostram que o piloto, quando bem treinado, faz toda a diferença.

O field paulista mostra que o Legacy é um formato bastante aberto à diversidade. Além dos Goblins invadindo as primeiras colocações, tivemos a notável presença de um Faeries, clássico deck de tempo que andava esquecido no metagame brasileiro.

Além desses três estados tivemos um Legacy em Florianópolis, terra do organizador do Nacional Legacy, Alex Werhmeister, do jornalista do Eternal Magic, Paulo de Tarso, e do multicampeão Marcos Morelli, também colaborador do site.

No próximo domingo, dia 28, o giro do Legacy continua Brasil afora. Teremos a primeira etapa da Lampions League, assim como o pontapé inicial da Liga Mineira e, em Brasília, um Open realizado pela Asgard. Quem sabe mais um fim de semana com muitas dezenas, talvez uma centena de duelistas se enfrentando com algumas das mais poderosas magias desse joguinho que tanto amamos!

Um grande abraço do
Fausto

*

A partir desta semana farei um resumo semanal sobre Legacy, com foco para os torneios realizados em solo nacional. Não deixe de enviar as informações como Top8 e decklists que você gostaria de ver publicadas aqui nesse espaço. Pode ser do torneio que você organiza ou de uma lista que você usou. Envie para eternalmagic@eternalmagic.com.br

 

Sobre Fausto de Souza

Fausto de Souza, jogador e colecionador desde 1994. Viciado nas cartinhas e em escrever, tem feito grandes amigos em toda a comunidade e é muito grato por isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *