sábado , 20 outubro 2018
enpt
Home / Colunas / God Hand / A virtude no meio termo

A virtude no meio termo

Olá amigos, sejam bem-vindos à God Hand, sua coluna semanal de Legacy.

Hoje vamos falar sobre o metagame do final de semana, quando nada menos que 213 bravos guerreiros participaram de torneios Legacy Brasil afora. Para começar, vamos dar uma olhada nos Top8s:

Rio de Janeiro (38 jogadores):

1- Grixis Delver
2- 4c Leovold
3- 4c Leovold
4- Jund
5- Maverick
6- UW Gideon
7- Enchantress
8- Grixis Delver

Minas Gerais (46 jogadores):

1- BUG Delver
2- Eldrazi
3- BR Reanimator
4- Food Chain
5- BG Depths
6- Jund
7- ANT
8- Lands

Rio Grande do Sul (46 jogadores):

1- UR Delver
2- Eldrazi
3- Steel Stompy
4- Grixis Delver
5- Lands
6- Storm
7- Bant Deathblade
8- Jund

Pernambuco (38 jogadores):

1- Elfos
2- Elfos
3- UB Reanimator
4- D&T
5- D&T
6- Turbo Depths
7- D&T
8- Storm

Santa Catarina (45 jogadores):

1- Eldrazi
2- Aluren
3- D&T
4- 4c Leovold
5- Team Italia
6- Burn
7- Dark Maverick
8- D&T

Nem ao céu nem ao mar: a virtude, hoje, parece estar no meio termo. Como podemos perceber, é nítida a predominância de decks midrange e controle que, se somados ao arquétipo prision, alcançam aproximadamente 50% dos Top8s do field nacional (quadro bastante semelhante ao internacional). Como explicar que num formato com power level tão grande esses tipos de deck, que necessariamente prolongam os jogos, estejam tão bem posicionados? Afinal, diziam por aí que o Legacy era chato porque os jogos sempre terminavam no primeiro turno…

Bem, para compreender esse fenômeno é necessário voltar a abril do ano passado, quanto Sensei’s Divining Top foi banido. Naquele momento, tínhamos o Miracles como o melhor deck do formato e sua principal arma era o lock produzido pelo Countertop (CounterbalanceSensei’s Divining Top). Com isso, a presença dos Delver decks caiu bastante, já que a esmagadora maioria de suas magias sucumbiam a este soft lock.

Uma análise comparativa interessante diz respeito às listas de Grixis Delver, que no segundo semestre do ano passado costumavam entrar com 3 Cabal Therapy MD. Já no último período, com a baixa dos combos, as terapias, que formam uma combinação fortíssima com Probe e Pyromancer, foram parar no sideboard, trocadas por 2 pierce e 1 forked bolt.

Vejamos a lista usada por Elton Bragança para vencer o Alpha Legacy do último sábado:

Maindeck (60)
Misty Rainforest
Polluted Delta
Tropical Island
Underground Sea
Volcanic Island
Wasteland
Deathrite Shaman
Delver of Secrets
Gurmag Angler
Snapcaster Mage
True-Name Nemesis
Young Pyromancer
Brainstorm
Daze
Force of Will
Forked Bolt
Gitaxian Probe
Lightning Bolt
Ponder
Spell Pierce
Sideboard (15)
Abrade
Ancient Grudge
Cabal Therapy
Diabolic Edict
Grim Lavamancer
Liliana, the Last Hope
Pithing Needle
Price of Progress
Red Elemental Blast
Surgical Extraction

Após o banimento do tampo, os delver decks voltaram com tudo e já são os decks mais jogados do formato (se considerarmos todas as suas vertentes), além de possuírem o deck mais popular: Grixis Delver. A maior presença desse arquétipo inibe a presença de combos e torna o ambiente propício aos midrange/controles, já que estes possuem bons matchs contra a grande maioria dos aggros e tempo decks. Inclusive foi a partir dessa leitura que Henrique Bellumat escolheu Eldrazi para se sagrar campeão do Nacional Legacy 2017, maior torneio do formato no Brasil, cuja última edição contou com 149 jogadores.

Eldrazi é um aggro bastante veloz, que na maioria das vezes não dá tempo para que os controles se desenvolvam e possui criaturas muito maiores que os delvers. Num ambiente em que seus piores inimigos (combos) estão em baixa, tem sido uma boa pedida ultimamente.

Os combos tiveram apenas a quarta parte dos Top8s nesse fim de semana, sendo zero no Rio de Janeiro. Vale lembrar que no Top8 do Nacional Legacy 2017 também não havia a presença de combos. Portanto, pegue esses dados e mostre aos seus amigos que dizem que o Legacy é chato por ser um formato cujos jogos sempre terminam no primeiro turno. Esses caras não sabem o que estão dizendo.

Vejamos, então, a lista que Marcos Morelli usou para vencer a primeira etapa do Circuito de Legacy Catarinense. Ao contrário de seu colega carioca, Morelli apostou num controle de 4 cores muito eficiente, fazendo resultado num torneio representativo brasileiro pela primeira vez. Sim, amigos, digo pela primeira vez porque não estamos falando do tradicional 4c Leovold, e sim do Punishing Thieves!

Maindeck (60)
Badlands
Grove of the Burnwillows
Island
Polluted Delta
Scalding Tarn
Swamp
Tropical Island
Underground Sea
Volcanic Island
Baleful Strix
Deathrite Shaman
Leovold, Emissary of Trest
Snapcaster Mage
Abrupt Decay
Brainstorm
Diabolic Edict
Force of Will
Kolaghan’s Command
Lightning Bolt
Ponder
Punishing Fire
Pyroblast
Rise / Fall
Toxic Deluge
Chandra, Torch of Defiance
Dack Fayden
Jace, the Mind Sculptor
Liliana of the Veil
Sideboard (15)
Diabolic Edict
Hydroblast
Nihil Spellbomb
Notion Thief
Ob Nixilis Reignited
Pernicious Deed
Phyrexian Revoker
Pulse of Murasa
Pyroblast
Spell Pierce
Surgical Extraction
Sylvan Library
Thoughtseize

Essa lista é uma máquina de destruição nas partidas de atrito, que leva ao extremo o card advantage (2 por 1). Além dos tradicionais snapcasters, comandos de kolaghan e toxic deluge, entram em ação seis Planeswalkers (sendo um no sideboard) e o “combo” Punishing Fire +Grove of the Burnwillows. Parece um pesadelo tanto para Delvers quanto para Death and Taxes e a maioria dos outros midranges, já que o MD está bem preparado para lidar com True-Name Nemesis, que geralmente compõem as listas mais consistentes desse arquétipo.

No pós-side é possível ajustar o deck para enfrentar qualquer oponente. Temos Pulse of Murasa, ótimo contra Burn e em matchs decididos na Race, descartes para eventuais combos, Sylvan Library e Notion Thief para controles, além do multiuso Phyrexian Revoker, entre outras opções que certamente foram decisivas para a conquista do torneio. Ah, como não notar ali o Ob Nixilis Reignited, recém-saído do T2 direto para o sideboard campeão do Legacy em Santa Catarina!

Por hoje é isso, pessoal. Fiquem à vontade para sugerir pautas para esta coluna, basta escrever para eternalmagic@eternalmagic.com.br. Quem sabe poderíamos falar sobre combos no próximo artigo? Qual é o seu favorito?

Um grande abraço do
Fausto

 

Sobre Fausto de Souza

Fausto de Souza é pseudônimo do jornalista Marcelo Salles, que joga e coleciona desde 1994. Viciado nas cartinhas e em escrever, tem feito grandes amigos em toda a comunidade e é muito grato por isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *