terça-feira , 25 setembro 2018
enpt
Home / Reportagens / Legacy superdesenvolve para…

Legacy superdesenvolve para…

Desbanimentos? Confira as propostas de Luis Henrique TK para aperfeiçoar o Legacy, tornando o formato mais diverso e ainda mais poderoso!

* Por Luis Henrique “TK” Colin

As distorções de realidade ainda não se normalizaram totalmente no campo de batalha de Worcester, onde aconteceu este final de semana um certame mágico de proporções épicas entre 719 arcanos, o SCG Open Legacy.

Dos 71 que sobreviveram para o Day 2 no evento, 18 (25% do field Day 2) eram especialistas em eficiência, utilizando um grimório Grixis Delver. Destes, 4 conquistaram spots no Top8, compondo 50% da cabala dos premiados! Os resultados atrelados às opiniões de arquimagos como Bob Huang e Jim Davis que indicavam que qualquer escolha estaria correta, desde que fosse “Grixis Delver” nos leva a questão: O deck-to-beat do momento, “Grixis Delver”, necessita de uma intervenção por parte da Wizards? E mais especificamente, algo que vem tomando força…o famigerado powerhouse, “Deathrite Shaman”, necessita de ban?

Como um entusiasta de formatos de grande poder como Legacy e Vintage e “as Spiky as it gets” como meus amigos dizem, não creio que seja um problema um deck se destacar. O grande problema entretanto se dá no fato de atualmente Grixis Delver ser capaz de fazer tudo muito bem, empurrando diversos arquétipos para fora da zona de viabilidade (vamos tomar como “viabilidade” o conceito de consistentemente figurar em spots de top8 de torneios significativos, com 30+ arcanos, visto que devido ao grande power level do formato alguns decks tier 2 ou 3 esporadicamente quebram as barreiras arcanas dos oponentes e
figuram entre os top8 e não tomaremos isso como “viável”) do meta atual.

Com uma curva baixíssima, este grimório é capaz de colocar threats de 1 mana e assim poder direcionar todos seus recursos a estrangular a estratégia dos oponentes em diversas frentes, atacando a mana base com land destruction, as tentativas de ação com pletora de counters e caso algo consiga passar depois disso, ainda conta com spot removals como Bolt para garantir que quase nada consiga sobreviver para fazer frente a um Delver “flipado”. Não bastasse esta estratégia extremamente eficiente que é mantida por uma “cola” muito especial chamada “Deathrite Shaman”, o deck ainda tem a opção de Go big! com Gurmag Angler, aproveitando os inúmeros cantrips, counters e fetches que o deck usa para manter seu plano de ação a todo vapor.

Como já mencionado, o DRS é o “milagre” que permite as engrenagens se conectarem de forma fluída, visto que através dele o deck consegue mana fixing, grave hate contra reanimações e snapcaster effects, estabilização através de ganho de vida, threat através de aumento de clock comendo spells, também cozinha, lava e passa… mas eu gostaria de, pelo menos por um instante, convidá-los a olhar para outro lado: apesar do DRS ser extremamente poderoso, o que o faz ser considerado muitas vezes como “O planeswalker de 1 mana”, e se ao invés de banirmos a pobre criatura para oblivion tivéssemos mais opções que rivalizassem com a eficiência da estratégia?

Atualmente um dos grandes desafios percebidos por novos entrantes no Legacy é o valor de buy-in no formato para os decks competitivos, principalmente pelo alto valor de Old Duals e algumas Staples e se mantivermos uma linha de bans sem unbans concomitantes, eventualmente teremos uma degradação do fator “WOW” do formato, com a perda gradativa de poder e efeitos incríveis possíveis no formato.

Mesmo com a ajuda da comunidade Legacy, sempre disposta a emprestar decks, cartas e trazer o maior número de jogadores possíveis para o formato, ainda assim um formato com alto valor de entrada e sem um apelo de poder e diversão tende a perder interesse de forma rápida e por isso sugiro que ao invés de banirmos um outlier como o DRS afim de diminuir o nível de poder mágico de Grixis Delver, aumentarmos o nível de poder de concorrentes, abrindo o formato para ser explorado e moldado por novas estratégias ou ressurgimentos de dormentes. Minhas considerações para tais objetivos são os seguintes possíveis unbans (podem preparar seus rastelos e foices e minha crucificação em praça pública porque estamos prestes a ficar polêmicos por aqui):

– “Oath of Druids” – Desde seu banimento em 2003 no então Extended, o formato evoluiu e se moldou não somente permitindo a presença de estratégias consistentes tão ou até mais rápidas e agressivas (BR Reanimator) como maior presença de respostas (decks prison-like com “Chalice of the Void”, Leylines, “Chancellor of the Annex”, FoW, Spell Snare…) e portanto, apesar de ser 1-card-combo, acredito que esta opção traria novos arquétipos ou moldaria alguns existentes para acomodá-la (Oath and Tell ??), além de naturalmente predar creature-decks (Delver+Pyro+Gurmag hi hi), o que permitiria a queda do arquétipos mais representados (Grixis Delver, D&T e Eldrazi) dentro da maior categoria atualmente representada (Aggro) elevando em contra partida a atual categoria menos representada (Combo) e por tabela permitindo que decks dentro da categoria (Control)
possam predar ou policiar esses novos arquétipos através das ferramentas citadas acima.

– Mana Vault – Fast mana é sempre um perigo constante de degeneração mas em uma tentativa de atrair decks como “Affinity”, “12-Post”, “Big Red” e estratégias prison-like para o cenário competitivo, além de ajudar estratégias já eficientes a ganhar um pouco de ground como poderia acontecer com “Eldrazi”, creio que poderia ser benéfico para o formato embora exista o risco de ser eficiente demais, gerando turnos ainda mais explosivos para uma das estratégias mais rápidas do meta atual.

– Mystical Tutor – Eu sei… eu sei o que vai dizer… mas já chegou até aqui me dê mais alguns instantes de atenção e boa vontade, sim?! Certamente ainda existem aqueles com pesadelos da era de UB Reanimator (na época, “O” Reanimator) com acesso a inevitabilidade trazida por este Tutor, que já foi inclusive considerado um “2nd rate class tutor” pela própria wizards, mas vivemos uma era onde o grave hate já até passou de seu ponto de saturação tendo até declinado um pouco devido a falta de necessidade e onde a maioria dos arcanos já está aclimatada a lutar contra Reanimadores, Necromantes (Dredge) e Tempestas (Storm) e certamente spell-based combo decks poderiam usar o power up.

A tomar pelos recentes acontecimentos no Modern onde a comunidade foi a alvoroço completo com unban de Mr. Powerhouse Jace, TMS e BBE, com grandes declarações de fim do Modern e quebra completa do formato e, na realidade, poucos decks conseguiram aproveitar realmente a volta do JTMS de forma efetiva, creio que o Legacy evoluiu e se sofisticou ao ponto de acomodar estas relíquias proibidas no passado.

E você, o que acha?! Estas cartas quebrariam completamente o Legacy? Ou a única solução é realmente mandar o pobre shaman para o oblivion?! Deixe sua opinião aqui ou escreva para eternalmagic@eternalmagic.com.br!

(*) Luis Henrique Colin, mais conhecido como “TK”, é empresário e tenta seguir o mens sana in corpore sano se dividindo entre o Kickboxing onde é faixa preta pela CBKB e árbitro internacional pela WAKO e sua paixão pelo RPG de mesa, fantasia em geral, Magic e turn-based strategy games como FFTactics, Tactics Ogre. Seus formatos são Legacy e Vintage, onde encontra o power level e competitividade suficientes para suprir sua alma “Spike”.

Sobre Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *