quarta-feira , 18 julho 2018
enpt
Home / Colunas / God Hand / O fiel da balança no pós-ban

O fiel da balança no pós-ban

Eis que a Wizards optou pela segunda decisão mais difícil: banir o Xamã. Conforme publicamos um pouco antes da divulgação da Banlist de abril (leia aqui), a mais difícil era testar o desbanimento de determinadas cartas para verificar como o field responderia. Não fazer nada, naquele momento, era o mais fácil, já que apesar de muito centrado no Xamã o formato seguia estável.

Em abril a Wizards resolveu lavar as mãos. Já agora, faltando cerca de dois meses para o Pro Tour (que pela primeira vez na História terá a presença do Legacy), a empresa decidiu banir o Xamã e, de quebra excluiu Gitaxian Probe do formato.

Paulo Vitor Damo da Rosa fez uma excelente análise sobre os decks que provavelmente sairão ganhando e perdendo com as mudanças. Vale a pena conferir.

Embora o banimento do Xamã não surpreenda os jogadores de Legacy mais assíduos, isso não significa que nós tenhamos uma bola de cristal para antever a nova conformação do field. Muitos dão como certo que os combos retomarão, ao menos, o share de alguns anos atrás, quando detinha 1/3 dos decks nos Top8 dos campeonatos mundo afora (no início do ano chegaram a cair para 27%). Já as opiniões sobre os controles é contraditória: alguns afirmam que sairão perdendo, enquanto outros garantem que serão as melhores opções no curto prazo. O consenso vai para o Death and Taxes, que retomaria sua condição de Tier 1.

Numa outra linha de raciocínio, a boa notícia é que além do Death and Taxes, outras opções mais acessíveis devem melhorar seu status, como Goblins, Merfolks e até Belcher. Com um investimento um pouco maior pode-se construir alguns stoneblades, a saber: Bant, Esper Blade, com ligeira vantagem para este último em razão dos descartes (sobretudo acaso o crescimento dos combos se confirme).

De minha parte, acredito que apesar da imprevisibilidade comum aos cenários pós-banimentos, existe um importante fator que pode garantir uma certa linearidade para a análise: a presença dos Delver Decks no field. A meu ver, este será o fiel da balança. Os delvers são predadores naturais dos combos, especialmente aqueles mais degenerados, e se os pequenos insetos não conseguirem sobreviver com um share ao menos próximo do que tinham antes, receio que os combos ultrapassem a saudável marca de 1/3 do field e comecem a ameaçar a estabilidade do formato.

Talvez por isso mesmo a Wizards tenha decidido incluir o banimento da Gitaxian Probe no mesmo pacote do Xamã. Assim ela impõe um freio preventivo em decks como Belcher, All Spells, Dredge e até mesmo as variantes do Storm, sinalizando claramente uma predileção pelos combos mais consistentes como Sneak and Show, Omnitell e UB Reanimator.

De modo que se os delver decks – muitos acreditam no RUG como o principal sucessor do Grixis – atravessarem a fronteira do novo mundo de cabeça erguida, parece razoável supor que teremos um Legacy mais variado e divertido de jogar. Tempos interessantes estão por vir.

Sobre Fausto de Souza

Fausto de Souza, jogador e colecionador desde 1994. Viciado nas cartinhas e em escrever, tem feito grandes amigos em toda a comunidade e é muito grato por isso.

2 Comentários

  1. Ola, vc poderia passar a lista do UWR esper que vc sitou?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *