quarta-feira , 24 outubro 2018
enpt
Home / Reportagens / Espero vocês no Nacional Legacy!

Espero vocês no Nacional Legacy!

Por Henrique Belumat (*)

Olá, leitoras e leitores da Eternal Magic!

Eu me chamo Henrique Belumat (Belu!), tenho 28 anos e pago minhas dual trabalhando como Redator/Copywriter em uma grande empresa de tecnologia.

Comecei a jogar Magic lá pra 2000, 2001. É uma história comum, né? O irmão mais velho de um colega de escola tinha umas cartas e a moçadinha achava massa. No começo, jogávamos com essas cartas. Mais pra frente, cada um comprou um intro deck. O meu era o monowhite de sétima edição, um belíssimo montinho de lixo haha. Jogamos um bocado e na época de Odisséia e Investida arrisquei alguns torneios t2 com meu primeiro deck competitivo: aquele Sligh (avô do Red Deck Wins) que usava Piledriver e Firecat.

Quando saiu a oitava edição, achei o frame feio e parei.

Aí vem a melhor parte. Lá em 2009, eu estava em uma reunião de trabalho e, por acaso, abri uma caixinha que estava em cima da mesa. Sabe o que tinha dentro? UM FUCKIN DECK DE MAGIC, CARA! Putz, bateu uma nostalgia louca.

O deck era de um maluco (Punkoswaldo) que trabalhava ali. Batemos um papo e ele me disse que estava rolando um carteado toda segunda na casa dele. Não deu outra: dias depois eu tava ali, na casa de um desconhecido, cercado de desconhecidos, jogando um mesão muito louco com meu BW Clérigos que eu usava quase 10 anos antes pra jogar Extended.

Em 2012, comecei a me interessar novamente por competitivo, mas assustei com os valores (agora tô aqui pagando língua ahah). O que me ajudou a realizar o sonho foi o pauper! Juntei uma grana, montei um UW Acid Trip e fiz assim:

Ganhava boosters jogando Pauper -> usava os boosters pra pagar inscrição em draft -> vendia a pool do draft pra montar mais Pauper e ganhar mais booster.

Foi assim que eu montei uma boa pool de pauper e os primeiros decks Modern. Depois disso, foi tudo uma bola de neve. Hoje tô aqui, firme e forte no Legacy.

-O Magic e minha vida

O Magic pra mim significa de diversão de ponta a ponta. Hoje, minha relação vai muito além de jogar, mas sem nunca perder a essência da brincadeira.

Me divirto colecionando, me divirto fazendo negócios (inclusive, sou conhecido por fazer negócios absolutamente irrelevantes: pego carta que já tenho pra trocar por outras cartas que também já tenho hahaha. Faço puramente por diversão).

Mais que tudo, acima de tudo, supremo a tudo, Magic pra mim é Gathering, é comunidade. Troco tudo pelos papos entre as rodadas e nas caronas de volta pra casa, pelos encontros fora do ambiente de jogo. Os amigos que fiz jogando Magic são incríveis. Moicanos, amo vocês!

-Legacy no Brasil

O Legacy hoje está em destaque no mundo todo, sem dúvida. Mas o que mais me brilha os olhos é o que tá rolando por aqui:

No Brasil, estamos batendo recordes históricos. Pra vocês terem ideia, em 2015 era difícil juntar 8 jogadores para os semanais, hoje temos em BH 2 torneios por semana com 20-30 jogadores em cada. Nas etapas da Liga Mineira de Legacy, já passamos de 50 inscritos.

Outras ligas no Brasil seguem o mesmo ritmo de crescimento. São Paulo tem uma liga que estreou esse ano e já demonstra que tem tudo pra fazer jus ao tamanho da cidade, com semanais de 40 jogadores. As tradicionais ligas do Sul e o Alpha Legacy não ficam pra trás no crescimento.

Mas preciso dar destaque para a Lampions League, capitaneada pelo querido Alex Pato e para os Eternal Challenge, puxadas pelo Fausto. Esses dois esforços são a chama que vai acender a expansão do Legacy no país. Sucesso demais!

Olha que sonho! Com essa despolarização, todo mês tem desculpa pra viajar e jogar um carteado em algum canto do país. Ano que vem, por exemplo, planejo jogar pelo menos uma etapa de cada liga no Brasil. Vamo que vamo!

-Nacional Legacy 2017, do Javali ao caneco

Na primeira vez em que fiz resultado com o Eldrazi Stompy, em 2016, eu usava Torre do Magistrado porque estava sem grana pra comprar Cidade de Traidores. Desde então, o deck ocupa um espaço especial na minha deckbox, junto do Death and Taxes, que acabou sendo a opção para o meu primeiro Nacional (2016), me levando à 17a colocação depois de jogar SEIS mirror matches. Na época, minha escolha foi tipo Big Brother: por afinidade haha.

Já em 2017, com mais experiência no Legacy, minha opção pelo Eldrazi teve um viés mais estratégico. Ele era o predador perfeito dos decks mais relevantes num meta dominado por midrange e control com manabase exageradamente ambiciosa. Não deu outra. Durante as 16 rodadas que joguei, encontrei nada menos que 8 decks contra os quais naturalmente eu teria vantagem. Dessas partidas, perdi apenas uma, contra Grixis Delver, na segunda rodada do Day2.

Outro aspecto determinante é que esses decks control empurraram os combos (bad matches naturais do Eldrazi) para fora do torneio logo nas primeiras rodadas, o que limpou os trilhos para a locomotiva guiada por TKS’s e Smashers.

Esses foram meus jogos no NL 2017:

Day1:

Rodada 1 – Pedro Manzoni – UR Twin – Win: 2-0

Rodada 2 – Djan Guidini – Miracles – Win: 2-0

Rodada 3 – Daniel Nunes – Slivers – Win: 2-1

Rodada 4 – Petrus Maciel – Death & Taxes – Win: 2-0

Rodada 5 – Marcos Morelli – Thalia Stompy – Win: 2-1

Rodada 6* – Frank William – 4c Control – Win: 2-0

*https://www.twitch.tv/videos/205666378?collection=-quYUNNm-xRdzw

Rodada 7 – Pedro Henrique Benz – 4c Leovold – Win: 2-0

Rodada 8 – André Sampaio – Jund – Win: 2-0

 

Day2:

Rodada 9 – Tomás Campos – Grixis Delver – Win

Rodada 10 – Carlos Tibério – Grixis Delver – Loss

Rodada 11 – Felipe Duarte – Lands – Loss

Rodada 12 – Rafael Rufino – UB Shadow – Win

Rodada 13 – Mauro Edi – UR Delver – ID

 

Playoffs:

Rodada 14 – Jose Zilli – 4c Leovold – Win

Rodada 15* – Mauro Edi – UR Delver – Win

*https://www.youtube.com/watch?v=T8BjyHEXG6M&t

Rodada 16* – Stefano Garcia – Miracles – Win

*https://www.youtube.com/watch?v=sHU-fK9oi68

 

E onde entra o Javali? Vou deixar essa história pra uma próxima conversa.

 

-Nacional Legacy 2018

O Nacional é a grande festa do Legacy no Brasil. Minhas expectativas não poderiam ser melhores. Acompanho o empenho do Thiago Duarte de perto e vejo que tudo está sendo feito com muito carinho e atenção. Ele cuidou de cada detalhe pra que o evento seja incrível pra todos os presentes. Espero sinceramente que o pessoal do Brasil inteiro venha curtir com a gente. Sei que a mudança de cidade gera questionamentos, mas queria muito reiterar o convite, em nome de toda a comunidade Magic de BH, pra que todos venham fazer um passeio inesquecível por Minas Gerais!

Mais uma vez, obrigado ao Fausto e à Eternal Magic pelo convite! Um abraço para os jogadores da LML e para o time da Vault of Cards <3.

Espero todos vocês no Nacional Legacy 2018!

PS – O Nacional Legacy 2018 será realizado em Belo Horizonte, no Confins Suítes Hotel, nos dias 24 e 25 de novembro. Acesse www.nacionallegacy.com.br e confira todas as informações!

(*) Henrique Belumat é mineiro, torcedor do Galo, campeão do Nacional Legacy 2017 e um cara muito gente fina.

Sobre Redação

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *