quarta-feira , dezembro 12 2018
Home / Reportagens / O mais brasileiro dos nacionais

O mais brasileiro dos nacionais

O Nacional Legacy 2018 bateu diversos recordes e quebrou paradigmas. Pela primeira vez em nove anos realizado fora de São Paulo, havia o receio de que poucos jogadores participassem do evento. No entanto, nada menos que 149 players registraram presença no torneio principal, dessa vez em Belo Horizonte, igualando o número do torneio de 2017 e ficando apenas a cinco jogadores de igualar o recorde de todos os tempos.

Na sexta-feira, 51 pessoas diferentes jogaram 10 trials e 1 Win a Mat. 67 disputaram o Super Legacy no domingo e ao longo do fim de semana também foram realizados 2 Win a Mox, um PPTQ, um Pauper e três Drafts. No total, entre o evento principal e paralelos, foram distribuídos 18 mil reais em prêmios.

No que diz respeito à cobertura, além do apoio do Eternal Magic, é preciso destacar a cobertura fotográfica de Juliana Torres e o trabalho de Streaming realizado pela equipe do Legacy dos Moicanos. Liderado por Matheus Alves, o coverage inovou para os padrões brasileiros. Foram cinco câmeras, internet dedicada com 25MB de upload, duas mesas exclusivas para que todos pudessem acompanhar o maior número possível de jogos. A stream teve picos de 700 viewers, um recorde para o Twitch em nacionais (ano passado foi realizada transmissão simultânea pelo Twitch e YouTube; o número alcançou mil espectadores).

Thiago Duarte, organizador do Nacional Legacy (agachado, de bermuda branca), ao lado dos TOs da ligas regionais

Mas o Nacional não pode ser medido apenas em números. A diversidade brasileira esteve fortemente contemplada numa das maiores festas do Magic em nosso país. Sotaques do Sul ao Nordeste, representantes de quatro das cinco macrorregiões do país compareceram em peso mostrando por que o formato tem crescido no Brasil. De acordo com o organizador, Thiago Duarte, a meta foi alcançada. “Meu objetivo era criar um fim de semana de diversão, saudável, em um lugar agradável, no qual o jogador pudesse levar, inclusive, mulher e filhos e tivesse prazer em participar do torneio. Com apoio que tivemos da comunidade que joga Legacy, tenho certeza que conseguimos isso”, explica.

De fato. Estiveram reunidos em Belo Horizonte os organizadores regionais das ligas de Pernambuco, Rio Grande do Sul, Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. “Esse Nacional foi simplesmente espetacular. Pro ano que vem seremos mais de 50 cariocas em BH! Tenho certeza!”, afirmou Rodrigo ‘Marajá’ Sousa, responsável pela Alpha Legacy RJ.

Na avaliação de Alex Araujo, organizador da Lampions League no Recife, o torneio quebrou paradigmas. “Pra mim o Nacional Legacy 2018 foi a constatação de que o Legacy é a arte do encontro, que a comunidade está mais forte que nunca e, com esse novo patamar para o Nacional que o Thiago impôs, teremos uma era próspera para o Legacy no futuro”.

O grande campeão do torneio foi Gabriel Casas, que jogou de Miracles para levar de volta o título para o Rio de Janeiro (ele mesmo havia conquistado a façanha em 2011).

Gabriel Casas, campeão do Nacional Legacy 2018

O Nacional Legacy 2018 se despediu com gostinho de quero mais. Não à toa. Os jogadores tiveram uma recepção excelente no confortável Confins Suítes e assistimos a um torneio de alto nível. Foi possível rever velhos amigos, fazer novos contatos e perceber que no fim das contas a gente saiu de lá feliz porque alcançamos aquilo que tanto almejamos no Legacy: compartilhar com nossos pares esse hobby que tanto amamos.

Crédito das imagens: Juliana Torres.

About Fausto de Souza

Fausto de Souza é pseudônimo do jornalista Marcelo Salles, que joga e coleciona desde 1994. Viciado nas cartinhas e em escrever, tem feito grandes amigos em toda a comunidade e é muito grato por isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *