terça-feira , novembro 12 2019
Home / Entrevistas / #NL2019 – O Rei do Rio

#NL2019 – O Rei do Rio

Hoje começamos uma série de artigos, entrevistas e matérias especiais a respeito do Nacional Legacy e seus principais personagens. Vamos conhecer alguns dos melhores jogadores do país, as ligas regionais e levar aos leitores do Eternal Magic todas as informações sobre o maior evento independente de Magic do Brasil, que este ano será realizado entre os dias 29/11 e 1/12, em Belo Horizonte.

***

#NL2019 – O Rei do Rio

Em 1995, aos 32 anos, o atacante Renato Gaúcho fez história com o lendário gol de barriga que deu o título estadual do Rio de Janeiro ao Fluminense. Pelo feito, a imprensa carioca lhe deu o título de Rei do Rio.

Houvesse uma votação hoje para o melhor jogador de Legacy do Rio de Janeiro, provavelmente Felipe Duarte, também de 32 anos, levaria o título. Não é pra menos. O cara coleciona resultados expressivos tanto no estado quanto nacionalmente: Top16 no Nacional Legacy de 2013 e 2014, Top8 em 2017 e hexa campeão do Alpha Legacy, o que o torna o maior campeão de todos os tempos do principal torneio carioca no formato, do qual é um dos organizadores ao lado de Rodrigo Sousa, o lendário Marajá.

Ao contrário de muitos jogadores que atuam em alto nível, que em geral se especializam em um único deck, Duarte se notabiliza pela facilidade em navegar por diferentes mares. Especialista no Maverick e suas tricks, sabe como ninguém os segredos do Food Chain e conhece como a palma de sua mão o Lands, deck que lhe deu o Top8 no Nacional Legacy de 2017.

Nesta entrevista ele fala sobre suas expectativas para o Nacional Legacy 2019, comenta as novas staples de War of the Spark e Modern Horizons e faz uma breve análise do novo metagame Legacy. Confira a íntegra da entrevista com Felipe Duarte, o Rio de Rio!

Felipe Duarte segurando o troféu numa das seis edições que venceu do Alpha Legacy

 

Qual seu nome, idade e profissão?

Felipe Duarte, 32, servidor público.

Quando começou a jogar Magic?

Iniciei em 2003, quando Scourge, do bloco de Investida, foi lançado. Lembro na ocasião que no meu primeiro booster tirei um Daru Warchief foil, que eu tenho até hoje, e o tribal de soldados sempre foi meu xodó.

Como foi a passagem do casual para o competitivo?

Foi entre 2012-2013, quando ainda existiam os Legacy Qualifier. Sempre me identifiquei mais com o Legacy, formato que sempre me chamou a atenção devido ao seu Power Level. Além disso sinto um companheirismo vindo dos jogadores de Legacy, o que torna o nosso hobby ainda mais agradável. Desde então jogo Legacy competitivo.

Na sua opinião, quais as principais cartas de War of the Spark e Modern Horizons para o Legacy?

War of the Spark trouxe a nossa diva Narset, Parter of Veils, que foi a carta que mais impactou no Legacy na minha opinião. Temos também Dreadhorde Arcanist, e Teferi, Time Raveler, que também são muito bons. Em Modern Horizons destaco Wrenn and Six, Prismatic Vista, Force of Negation e Force of Vigor.

Quais os principais decks Legacy hoje, e quais os que você não considera Tier1 mas que estão bem posicionados?

Entre os Agros, Delvers decks voltaram a jogar mais, principalmente o RUG com a chegada de Wrenn, e Death and Taxes, que também sempre incomoda. Na parte control/midrange temos os Blades, Miracles e Lands, que estão sempre dando trabalho. Na categoria Combo temos cada vez mais o BG depths se destacando, seja na versão turbo ou slow vemos seu crescimento gradativo. Além disso temos o bom e velho Sneak and Show que sempre faz bonito. Acho que Modern Horizons impactou bastante no legacy e no posicionamento dos decks. Fora do Tier, Bomberman é um deck que sempre achei estiloso e acho que agora com Karn é possível resultados na sua versão monoW. Também apostaria mais na presença do Hogaak no Legacy, a carta tem muito potencial.

Quais foram seus principais resultados em torneios Legacy?

12° no Nacional 2013, 10° no Nacional 2014, Top8 no Nacional 2017 e Hexa Campeão do Alpha Legacy.

Vai jogar o Nacional esse ano? Qual a sua expectativa para o torneio?

Sim, com certeza. Espero que seja mais um torneio de sucesso em um clima amistoso e cordial que o Legacy sempre proporciona. E espero ganhar também, né? Ou pelo menos pegar um Top8.

About Fausto de Souza

Fausto de Souza é pseudônimo do jornalista Marcelo Salles, que joga e coleciona desde 1994. Viciado nas cartinhas e em escrever, tem feito grandes amigos em toda a comunidade e é muito grato por isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *