sexta-feira , outubro 18 2019
Home / Reports Campeões / SULTAI SUICIDE, UM PARADIGMA LEGACY – VOLUME I

SULTAI SUICIDE, UM PARADIGMA LEGACY – VOLUME I

Por Moisés Nazareno

Vamos falar do melhor tipo de Magic? Legacy! É claro! Oi, meu nome é Moisés Naz (Naz pros íntimos e Moisesper pros mais chegados ainda) e eu vim falar de um deck que precisa ter sangue frio pra jogar: Suicide.

O estratagema está vinculado à concepção de “tentar se matar para superar seu oponente”. Em outras palavras, o jogador adepto busca conseguir perder uma grande quantidade de pontos de vida para conseguir conjurar a criatura “Death’s Shadow”, preferencialmente com grande poder de ataque, e consumir rapidamente os pontos de vida adversários.

Uma nuance importante a ser citada: ao utilizar certas cartas para auto infligir danos, você conta com benefícios de jogo muito interessantes – comprar cartas por exemplo. Por outro lado, existe também a perda de vida intencional sem vantagem direta (as famosas “shocklands”), necessária obviamente para acelerar ao máximo o conjurar do nosso amigo sombreado.

Vamos agora expor a lista:

Maindeck

4x Death’s Shadow

4x Delver of Secrets

2x Tarmogoyf

1x Baleful Strix

2x Sylvan Library

1x Bitterblossom

4x Force of Will

4x Daze

2x Collective Brutality

4x Thoughtseize

4x Fatal Push

2x Stifle

4x Brainstorm

4x Ponder

4x Flooded Strand

4x Polluted Delta

2x Wasteland

2x Watery Grave

2x Underground Sea

1x Tropical Island

1x Breading Pool

1x Swamp

1x Island

Sideboard

1x Set Adrift

2x Engineered Explosives

2x Dark Confidant

2x Diabolic Edict

2x Dispel

2x Vapor Snag

2x Relic of Progenitus

2x Nihil Spellbomb

 

Antes de falar da lista em si, vou referenciar as três situações de jogo com as quais  um jogador de Suicide se depara:

1. O seu oponente irá de bom grado cooperar com a perda de vida (quando o cara é gente fina e tem bom gosto);

2. O adversário tentará te vencer de uma só vez, sem, assim, te ajudar com os danos parciais, geralmente operadores de “controle” ou “combo” (nesse caso uns caras sem amigos);

3. O compilado estratégico inimigo consegue permitir as duas posturas anteriores, garantindo comportamentos agressivos ou recuados conforme cada situação (ai meu amigo, tu tá ferrado para ganhar a partida).

Levando em consideração essas três situações, sendo a terceira algo mais raro no metagame (UWR Stoneblade por exemplo), montei essa lista UBg baseada em duas criaturinhas (nada inofensivas) principais, Death’s Shadow e Delver of Secrets, associadas à diversas cartas tempo – internações rápidas pontuais às respostas inimigas – e alguns elementos “midrange” (um pouco mais lerdas, mas com alto poder de fogo!)

Além das criaturas de uma mana, a lista contém mais cinco permanentes “win conditions”: temos 2x Tarmogoyf, substituindo o comumente Gurmag Angler, devido à presença dos Dark Confidant no side e também pela velocidade relativa de conjurar; 1x Bitterblossom, para produzir pequeninas ameaças ou amáveis defensoras; e, por fim, 2x Sylvan Library que ajudam a achar criaturas e respostas, além de colaborar também para uma diversificação de ameaças em campo (muito bem vinda contra remoções globais, tipo Terminus).

De modo geral, é bastante reduzida a quantidade de win conditions do deck, sendo, deste modo, necessária a proteção destas por meio dos counters (Force of Will, etc) e descartes (Thoughtseize e Collective Brutality). Quando você não conseguir, ainda existe uma grande quantidade de “cantrips” (incluindo a melhor carta do formato!) para achar outra maneira de impor pressão de jogo.

Voltando à carta Sylvan Library, esta foi anexada à força Dimir como forma de substituir as antigas Gitaxian Probes (pobre coitadas inocentes), banidas no ano passado do formato. A grande maioria das listas por aí utilizam a carta Street Wraith, mas eu parto de uma linha de pensamento diferente: a maioria dos instrumentos selecionados para perder vida podem – e devem – ser utilizados de maneira controlada, assumindo funções reduzidas em certas situações (Library como simples manipulação do topo do grimório, “shocklands” entrando viradas para uso posterior…). Uma outra vantagem do uso desse encantamento está atrelado à proteção contra cartas adversárias que fazem ganhar vida (malditas Plowshares!!!), ponto fraco determinante da estratégia (não se pode nem morrer em paz…), uma vez que ele permite transformar sempre os pontos adquiridos em novas cartas.

A lista ainda conta com alguns elementos de privação de mana do oponente, mas em quantidade bastante reduzida em comparação à outros decks tempo. Isso por que a intenção aqui é efetuar um compilado de mágicas o mais rápido possível para impor uma forte presença de campo, dilema que demanda uma utilização mais intensa das suas próprias manas (preocupe-se com o seu primeiro!).

É importante falar de duas cartas polêmicas dessa lista. A primeira delas, mais singela, é presença ilustre de 2x Collective Brutality, que possuem funções variadas na lista (eu sei… são lerdas…mas…): discard de remoções e counters da mão do oponente, ou eliminar criaturinhas indesejáveis, geralmente bloqueadoras, finalizar o inimigo (quem precisa de bolt?) e ganhar um pouquinho de vida pra não suicidar demais… As diversas cartas ruins no “late game” (e são muitas) podem, então, ser transformadas em efeitos relevantes através das Brutality, o que justifica sua aplicação nesse composto.

Agora, vamos falar da maior polêmica do deck: Baleful Strix. Ela é definitivamente lerda e não bate nada. Masss, meu jovem, ela pode e vai te salvar milhões de vezes do completo harakiri, permitindo que seus Death’s Shadow deixem a posição de defesa e partem pro ataque (afinal tão aí para isso né?). Além de te salvar dos ataques voadores, ela te protege de efeitos de sacrifício, enquanto “cantripa” em busca de outras ferramentas. Resumidamente, é uma adição questionável pela velocidade de atuação, mas que pode ser considerada razoavelmente aceitável dentro de seus benefícios decorrentes.

Relativo à base de mana, esta foi configurada para fornecer três opções “tutoráveis” através das “fetchlands”: Watery Grave e Breading Pool para perder vida, Underground Sea e Tropical Island como fontes de mana alternativas (na hora do sufoco vai valer o investimento $), e não menos importante, uma Island e um Swamp – básicos pra proteção contra Wasteland, Blood Moon, Back to Basics e Price of Progress.

Antes de avançar no papo, vou citar os jogos mais favoráveis e mais difíceis com esse deck:

_ Tá fácil!: Eldrazi, Burn, Reanimator (também conhecido como Desanimator) Show and Tell e Maverick.

_Eita! agora ferrou!: UWr Stoneblade (mano, esse é impossível), Lands, Hogaak Deths, Merfolk e UR Delver (Burn bom!).

Agora, finalmeeente, falando do sideboard: a estratégia aqui é apresentar cartas capazes de suprir as deficiências específicas do corpo principal. Temos 1x Set Adrift e 2x Engineered Explosives para lidar com permanentes extremamente problemáticas (para não dizer nojentas), tais como Chalice of The Void e Ensnaring Bridge. Temos também Diabolic Edic (nada de Liliana’s Triumph! Pois não dá pra suicidar seus bichos com ela!) para resolver True-Name Nemesis, bem como Marit Lages (assim como os Vapor Snag). Vapor Snag está na lista para lidar com alvos que os Fatal Push não resolvem. Dispel para responder principalmente Lighning Bolt e Swords to Plowshares. E, por fim, não menos importante, quatro formas de remover o cemitério adversário do jogo e impedir a festa dos Demônios (Griselbrand que chama a galera) e dos Life from the Loam (e a reca semelhante).

Concluindo, em síntese, o Suicide pode ser considerado um dos arquétipos mais difíceis de se jogar, visto que envolve uma gama de decisões estratégicas subjetivas complexas, principalmente relativas às perdas de vida (o quanto é desejável pagar pontos em cada situação?). Além disso, o deck possui certas fragilidades específicas que demandam experiência (ou seria malícia de macaco velho?) para contorná-las, quando possível. Em contrapartida, trata-se de uma estratégia muito eficiente e bastante divertida de se jogar e testar suas capacidades como jogador.

E é isso galera! Espero que tenham gostado (ou não, nunca saberei mesmo), e boa sorte com ou contra esse deck esquisito!

About Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *