quinta-feira , dezembro 12 2019
Home / Entrevistas / #NL2019- “Foi amor à primeira vista”, afirma Tibério sobre o Legacy

#NL2019- “Foi amor à primeira vista”, afirma Tibério sobre o Legacy

Amor à primeira vista. Assim Carlos Eduardo Tibério Júnior define sua relação com o Legacy. Nesta entrevista risonha e franca, esse Analista de Sistemas de 30 anos, que também é um dos jogadores mais queridos de São Paulo, fala sobre seu primeiro contato com o Magic e sua entrada no jogo competitivo. Tibério também analisa o metagame atual – lembrando que o formato foi o único a não sofrer banimentos este ano – destaca seus principais resultados e fala de suas expectativas para o Nacional Legacy 2019, além de dar algumas dicas sobre o deck que usará no torneio. Tá esperando o quê? Confira a íntegra abaixo:

 

Qual seu nome, idade e profissão?
Meu nome é Carlos Eduardo TIBÉRIO Júnior (quase ninguém sabe que me chamo Carlos, haha). Tenho 30 anos e dizem que sou Analista de Sistemas.

Quando e como foi seu primeiro contato com o Magic?
Meu primeiro contato verdadeiro foi em Apocalipse, quando eu vi as cartas pela primeira vez e escutei falar sobre o jogo. Agora, o contato que me fez jogar pela primeira vez foi em Retorno de Ravnica, em 2012. Eu estava no escritório trabalhando quando um outro colega de trabalho me chamou para ver um problema com o meu código, pensei: ‘Problemas com meu código? TRUCO!’. Chegando em sua mesa, ele tinha uma carta em JAPONÊS (entenderam o amor?) de MTG (Diabolic Tutor), perguntei sobre o jogo e ele começou a tirar decks da mochila e explicar tudo e me deu um site para ler um pouco mais… starcitygames.com, conhecem? EU JURO pra vocês que ainda não fechei essa aba do site até hoje, isso é o que chamam de vício?

Em que momento você começou a transitar do casual para o competitivo?
Como o colega que me apresentou o jogo já era um jogador competitivo (Gabriel Frei), eu diria que nunca fui muito casual. Meu primeiro campeonato já foi um LCQ das antigas, na antiga Magic House, onde perdi na final. Eu estava de BURN e meu oponente de Sneak and Show, COMO PODE COLOCAR UMA CRIATURA 15/15 EM JOGO POR 3 MANAS? nunca entendi direito… Ali, descobri que aquele jogo era fantástico e eu queria mais daquela energia e disputa.

Qual o seu formato favorito e por quê?
Essa é fácil; LEGACY. Minha primeira iteração com o jogo já foi nesse formato maravilhoso, naquele primeiro LCQ tive o prazer de ver a gama infinita de decks disponíveis para se jogar. Foi amor à primeira vista, vamos no casar no fim do ano que vem, 2020. SAVE THE DATE!

Com os anúncios de banimento no dia 21/10, o Legacy passa a ser o único formato sem sofrer mudanças em 2019. Na sua opinião já temos um formato estável após o banimento do xamã (abril de 2018)? Como avalia o metagame atual?Existe um melhor deck?
Sinceramente? eu odeio esse termo “estável”, estabilidade tem cara de imobilidade e isso não me agrada. Eu diria que temos um formato saudável, onde várias estratégias são possíveis e cartas novas se encaixam cada vez mais rápido, tornando o formato super dinâmico e divertido. Estou amando jogar legacy nos dias atuais e digo que, desde 2012, é um dos metagames que mais me traz prazer de jogar. Existe um melhor deck? Essa é a parte que mais demonstra a saúde do formato, NÃO EXISTE! (você acha que alguém responderia isso enquanto xamã e probe existiam?) Temos: Combos, Midranges-Snow, Delvers, Aggros.deck, Depths.deck e tem o MUD… quero dizer… todos jogando de igual para igual no metagame, quer algo melhor que isso?

Como é seu processo de escolha de um deck para um campeonato de médio/grande porte? O que pesa mais, sua habilidade com determinada estratégia ou a expectativa para aquele determinado field?
Eu já participei de diversos métodos de escolha de decks para torneios: Sozinho, em time, em dupla, deixando pra última hora, etc… Diria que o que mais me deu resultado, foi pensar em uma pequena equipe. Eu, normalmente, opto por decks que estão no topo do metagame americano e se alinham com minha maneira de jogar (eu sou, de coração, um jogador midranger/controler), além disso, acho que análise de metagame não funciona muito por aqui nas terras tupiniquins e explico o motivo: todo jogador de legacy por aqui não tem só 1 deck (salvo exceções), o que torna imprevisível arriscar o que cada pessoa estaria jogando para se preparar pro field. Além disso, é complicado demais de saber quem vai e quem não vai num determinado torneio, normalmente a gente descobre só na primeira rodada mesmo, onde já é tarde para mudar qualquer coisa. Se eu pudesse dar uma dica pra quem está se preparando para o Nacional, seria: jogue com aquilo que você tem confiança e saiba TUDO do que seu deck é capaz de fazer!

Você é um dos organizadores da Liga Paulista de Legacy. Pode falar um pouco sobre ela?
Claro! a LPL nasceu de uma reclamação constante dos jogadores de São Paulo sobre torneios que não aconteciam e, quando aconteciam, não cumpriam com o prometido ou não davam um público bacana. “Chupinhamos” o regulamento da LML (Obrigado, pão de queijo! s2) e alteramos para fazer sentido para São Paulo, mandamos no maior grupo de Whatsapp que temos por aqui e o pessoal palpitou sobre regulamento, preço, etc… Quando dizemos no começo de cada torneio “Esse torneio é feito POR VOCÊS, PRA VOCÊS” a gente realmente tá sendo sincero, hehe. Colocamos a data do primeiro, e foi um sucesso maior do que esperávamos! Foi insano todo o apoio da comunidade (tanto de SP quanto de todos os outros estados) e da Epic Games, que é a atual host do nosso torneio. Acho que dessa vez achamos a fórmula para um torneio duradouro e bom para todos, agora é só administrar para evoluir da forma correta. Além do agradecimento de todos que já mencionei, devo reconhecimento especial para os 4 anjos da organização que vivem correndo atrás para que todos os torneios sejam perfeitos: Carolzinha, Davi, Léo e Petrus!

Você é um dos jogadores paulistas com maior expressão em termos de resultados no Legacy. Além do Top8 no Nacional de 2017, quais outros resultados você destacaria?
Fico lisonjeado pelo elogio, obrigado. Considerando todos os formatos, tive, em GP’s, os seguintes resultados:

5º colocado no GP Chile 2018 (trios)
1 Top 16
4 Top 32
2 Top 64
e algumas falhas por aí, hehe.

Em Torneios Independentes no formato Legacy:
9º no NL de campinas (esqueci o ano)
Top 8 NL 2017, Top 8 Legacy UAI, Top 8 1ª LPL Finals
vice-campeão CLM e KSOM 2018

Em Casa:
sou considerado o melhor cozinheiro de todo o apartamento.

Ps.: Eu moro sozinho…

Em 35 dias teremos o maior torneio Legacy do país. Quais as suas expectativas para o Nacional Legacy 2019? Já sabe o deck que vai usar?
Minhas expectativas são sempre as melhores, é o torneio que junta todos os jogadores de todas as ligas para 2 dias de muita diversão e topdecks! Se você é um jogador que ama jogar contra os melhores de seu estado, por que não jogar contra os melhores de todos os estados? só pode ser bom! Ainda não tenho as 75 fechadas mas COM CERTEZA a minha ilha NEVADA vai gerar mana branca, azul, preta, … se é que você me entende 🙂

About Fausto de Souza

Fausto de Souza é pseudônimo do jornalista Marcelo Salles, que joga e coleciona desde 1994. Viciado nas cartinhas e em escrever, tem feito grandes amigos em toda a comunidade e é muito grato por isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *